Assine Já
sábado, 17 de abril de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 33583 Óbitos: 1249
Confirmados Óbitos
Araruama 8610 270
Armação dos Búzios 4104 54
Arraial do Cabo 1165 61
Cabo Frio 8993 441
Iguaba Grande 3308 82
São Pedro da Aldeia 4591 188
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
Imprensa

Pelo terceiro ano consecutivo, Prefeitura ‘esquece’ Prêmio de Comunicação

Mais água no chope da imprensa

30 novembro 2015 - 09h31

O Prêmio de Comunicação de Cabo Frio, objeto de valorização do trabalho e tradicional festa de confraternização da imprensa local, foi mais uma vez ‘esquecido’ pela Prefeitura. É o terceiro ano consecutivo, coincidência ou não, o terceiro ano da gestão Alair Corrêa (PP). O prêmio foi instituído pela lei municipal 1.739, de 2004, e deveria ser realizado anualmente, mas sua última edição foi a nona, em 2012.

Segundo a Secretaria de Comunicação, órgão da administração pública responsável pela organização do evento, a justificativa é “a queda na arrecadação por conta dos royalties do petróleo”, que cancelou não só o prêmio, mas também outras atividades programadas para o aniversário de 400 anos da cidade. No entanto, os motivos que levaram à não realização nos anos anteriores foram parcamente explicados.

– Em 2013 o projeto não ficou pronto a tempo de execução, e no ano passado havia a expectativa de fazer uma grande festa, só que em 2015, como parte dos 400 anos. Todos sabem o momento de dificuldade, então não só o prêmio como várias outras ações foram canceladas.

A explicação contradiz declaração do próprio secretário, publicada na Folha em 6 de novembro de 2013:

– Queremos contemplar jornalistas do Brasil inteiro. O prêmio volta em 2014, muito maior – prometeu, enquanto justificava o porquê de a décima edição não acontecer.

O Prêmio de Comunicação foi instituído por lei assinada pelo comunicador, à época vereador, Amaury Valério, em 2004, e promulgada por Alair, em mandato anterior. Questionado sobre o descumprimento da lei, Edinho disse que “no entendimento dele, a lei não gera obrigatoriedade, mas sim aval à Prefeitura a realizar a premiação”. Dois anos antes, no entanto, o entendimento era um pouco diferente:

– Caso não haja como adiar [a festa de 2013], faremos algo este ano só pelo cumprimento da lei, só pela legalidade – declarou, naquele ano.

Lamento – Jornalistas da cidade, muitos deles já agraciados com o prêmio, lamentaram nova ausência da confraternização.

– Acho uma vergonha. É lei. Não me venha com crise porque ele ainda não foi realizado desde que o atual prefeito assumiu. Não falta dinheiro, mas sim competência ou interesse – queixou-se Diogo Reis, vencedor em 2010.

Radialista e editora do portal RC24h, Renata Cristiane, que já arrebatou prêmios e apresentou a cerimônia, classificou a não continuidade do evento como “lamentável”.

– É não só uma confraternização, mas reconhecimento do nosso trabalho – sublinhou ela. Profissional dos mesmos setores, Eduander Silva criticou: – Acho estranho vereadores e imprensa não cobrarem. Seria até uma oportunidade de ter pautas positivas sobre a cidade.