Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43602 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4474 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
caça

Peças encontradas são de caça desaparecido, diz Marinha

Partes do estabilizador vertical da aeronave foram encontrada por pescadores em Maricá

07 novembro 2017 - 14h45Por Redação I Foto: Arquivo Folha
Peças encontradas são de caça desaparecido, diz Marinha

Pescadores de Saquarema encontraram duas peças do caça AF-1B, desaparecido no mar desde julho de 2016, quando em treinamento padrão caiu. As peças do estabilizador vertical da aeronave foram encontradas na semana passada na Praia de Ponta Negra, em Maricá,  e recolhidas pela Marinha do Brasil. “Há indícios de que teriam de desprendido da fuselagem do AF-1B”, informou a Marinha ao G1 por meio de nota.  

Este é o terceiro episódio em que peças da aeronave são encontradas em praias. No ano passado, dois pneus do trem de pouso foram encontrados em locais distantes como Praia de Monte Alto, distrito de Arraial, e Praia do Peró, em Cabo Frio. 

O acidente aconteceu em 26 de julho de 2016, durante treinamento padrão de ataque a alvos de superfície a 44 km da costa. O avião que era pilotado pelo capitão de corveta Igor Bastos, 39, acabou colidindo com um outro, provocando a queda.  O piloto da outra aeronave, que não teve o nome divulgado, sobreviveu. No dia seguinte, as buscas incessantes começaram tanto pelo piloto quanto pelo caça. A operação de busca reuniu centenas de militares e durou 88 dias, sem o aparecimento do piloto.

O caça AF-1 Skyhawk é uma unidade obsoleta, que a Marinha adquiriu 23 unidades do modelo depois da Guerra do Golfo. Ou seja, a aeronave não tem caixa-preta ou qualquer localizador. A corporação fez uma verdadeira operação de guerra para achar o militar: aeronaves da Marinha, do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro; navios da própria Marinha, subordinados à Esquadra, ao Comando do 1º Distrito Naval e à Diretoria de Hidrografia e Navegação; e navios contratados pela empresa Petrobras foram alguns dos meios utilizados para a busca.