Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
'Caminhos da História’

Passeio histórico por Cabo Frio é considerado sucesso por organizadores

Fruto do 'Cidade Viva', projeto 'Caminhos da História’ reúne dezenas e surpreende

20 junho 2017 - 10h32Por Redação I Foto: Divulgação
Passeio histórico por Cabo Frio é considerado sucesso por organizadores

Na correria do dia-a-dia, no vai e vem pelas ruas do centro da cidade, com o relógio sempre fazendo os passos apertarem, os prédios antigos e sua importância na história, acabam passando despercebidos. E no meio desse ir e vir, muitas vezes a história se perde. Com o objetivo de resgatar a importância das construções antigas e os seus dizeres na história, aconteceu no último sábado o ‘Caminhos da História’, projeto que nasceu na mesa de debates do Cidade Viva, projeto da Folha, e virou realidade através de uma parceria entre a Prefeitura de Cabo Frio e a Universidade Estácio de Sá. O passeio reuniu cerca de 35 pessoas.

O trajeto começou no Morro da Guia, de onde se tem uma das melhores vistas de Cabo Frio. Do alto, destaque para os contrastes sociais da urbanização da cidade: Ponte Feliciano Sodré, Praia do Forte, prédios residenciais. Já na parte baixa da cidade, o grupo seguiu pelo corredor da Érico Coelho, a primeira rua de pedestres.

– Entramos na rua para falar do desenvolvimento da cidade, da imigração e do jogo político entre liras e jagunços. Paramos em casarios antigos e no Palácio das Águias. Na Praça Porto Rocha, falamos sobre a visita do Imperador Dom Pedro II, em 1947 e também do Solar dos Massa, onde o imperador ficou hospedado – relatou o coordenador do curso de História da Estácio, professor Paulo Cotias.

Ainda na Praça, histórias do complexo da Igreja de Nossa Senhora D’Assunção, o Charitas e a Câmara Municipal. A cada parada, o grupo não só ouvia as histórias do lugar, como também interagia.

– A colaboração das pessoas, a adesão espontânea, foi um dos pontos fortes do passeio e também a  colaboração, já que cada um que conhecia alguma historia, complementava um pouco mais as falas e ideias. Nossos alunos da Estácio trouxeram pesquisas sobre lendas, pontos e o pessoal da Secretaria de Cultura também colaborou muito – concluiu Cotias.

O primeiro núcleo de povoamento da cidade, o bairro Passagem, e o Forte São Mateus finalizaram o roteiro que acontecerá uma vez por mês. O secretário municipal de Cultura, Ricardo Chopinho, aprovou a primeira experiência.

– A mobilização foi excelente. Passou das nossas expectativas. Estamos vendo agora com as secretarias de Turismo e de Ciência e Tecnologia para aprimorar isso. Queremos colocar placas informativas nos locais e fazer uso de aplicativo para ler QR code (código de barras), onde não for possível colocar muitas informações – planeja.

O roteiro e a data do próximo ‘Caminhos da História’ ainda não foram definidos.