Assine Já
terça, 20 de abril de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
Tropical
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 33864 Óbitos: 1256
Confirmados Óbitos
Araruama 8610 270
Armação dos Búzios 4107 54
Arraial do Cabo 1200 62
Cabo Frio 9174 447
Iguaba Grande 3308 82
São Pedro da Aldeia 4653 188
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial

Passeio de barco: instituições discutem manejo

Associações de Arraial avaliam, neste quinta (27), plano para regulamentação da atividade

27 agosto 2015 - 09h47

NICIA CARVALHO

 

O embate entre diversas associações que exploram atividade turística em Arraial do Cabo, especialmente em relação aos passeios de barco, pode estar mais perto de acabar. O motivo é o encontro que acontece hoje, às 19h, no Tupi Esporte Clube, e que vai discutir propostas para o Plano de Manejo da Reserva Extrativista (Resex) do município, criada em 1997.

Entre os principais pontos da discussão, segundo Wellington Lacerda, membro da Associação de Barqueiros do Píer 2, é o interesse das associações de incluir no plano limite máximo de para transporte de passageiros nos passeios de barco, que seria de até 60 pessoas. O objetivo, segundo ele, é aumentar o número de barcos em operação, no entanto, proprietários de escunas divergem. Com o slogan “Dividir para Multiplicar”, Lacerda, criou a campanha apoiado por outras associações, e alega que a limitação beneficia a distribuição de renda, aumenta a segurança de turistas e moradores, além de minimizar os efeitos no ecossistema.

– Como um barco pequeno consegue disputar com escunas? Ainda mais com preço reduzido, já que o acordo de cobrar R$ 60 não é cumprido? Não temos como trabalhar. É imoral – disparou Lacerda.
Segundo ele, a campanha é para unificar as associações, que diferem de acordo com o tamanho das embarcações, e tentar sensibilizar organismos – como a Marinha, a Associação de Mulheres Pescadoras, Associação de Pescadores de Caícos, Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e, até mesmo, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) no município, responsável pela Resex Cabista – para a necessidade de fixação do limite de passageiros nas embarcações.

     

Além destes, compõem ainda o Conselho Deliberativo da Reserva, onde acontecem as discussões sobre a elaboração do plano de manejo, representantes da Prefeitura Municipal, da Colônias de Pescadores, do Porto do Forno, da Associação da Reserva Marinha de Arraial e da Fundação Instituto de Pesca do município. Além disso, o plano também trata das diretrizes para operação dentro da reserva, como a pesca esportiva, profissional, turismo náutico, mergulho e brinquedos aquáticos.

– Além do desejo de moralizar a prestação de serviços, que é muito ruim, e valorizar o profissional marítimo queremos melhorar o entorno da marina. O descaso é total, o crescimento é desordenado, sem contar a atuação do flanelinhas – entregou Lacerda.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (27)