Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Passado

Passado de luta do Rui remonta passe livre e ação contra Collor

Escola ficou conhecida não apenas por excelente ensino mas também por formação de pensadores críticos

22 março 2017 - 02h15
Passado de luta do Rui remonta passe livre e ação contra Collor

Geração após geração, os alunos do tradicional colégio Rui Barbosa não apenas com­provam a excelência do seu ensino como precisam tomar o caminho das ruas para asse­gurar seus direitos mais bási­cos, como o de ir e vir. Muni­cipalizada em 1980, durante a primeira gestão de José Boni­fácio, a unidade é considerada uma referência na formação do pensamento crítico em Cabo Frio, fator que para muitos re­presenta o motivo pelo qual a escola está sob constante ame­aça de fechamento.

No início da década de 90, na administração de Ivo Salda­nha, entrou para história a ba­talha estudantil para a obten­ção do passe livre nos ônibus e pela melhoria na qualidade do ensino. Dois anos antes do sur­gimento dos ‘caras-pintadas’, que ajudaram a derrubar o go­verno de Fernando Collor, em 1992, os alunos cabofrienses já davam uma aula de cidadania. Hoje com 43 anos, o professor de História do colégio Pedro II de Niterói, Alex Côrtes, era o presidente do grêmio do Rui na ocasião. Indignado com a atual situação, o professor se recorda com satisfação daque­la época.

– Ocupamos Câmara e Se­cretaria de Educação. Havia 10 mil alunos em toda rede e mais da metade se envolvia. A gente fazia arrastões, ia pas­sando de escola em escola e o pessoal descia para participar. Eu tenho um orgulho imen­so de ter participado daquilo tudo. Tenho amigos e amigas que estão lutando pelo que é justo. O Rui Barbosa é um pa­trimônio de Cabo Frio e da so­ciedade brasileira – inflama-se Côrtes, que observa que o Pe­dro II, mesmo federal, oferece Ensino Médio de qualidade.

Contemporâneo de Côrtes na escola e no grêmio estudan­til, o engenheiro civil Luciano Silveira também participou das conquistas estudantis da época. Com toda a formação profissional feita em institui­ções públicas como Uerj e UFRJ, Luciano defende o en­tendimento entre o governo e as escolas por meio do Minis­tério Público para que o Ensi­no Médio permaneça no mu­nicípio. Segundo ele, o gasto com o segmento não é signifi­cativo a ponto de impedir que a Prefeitura permaneça com ele, além do Ensino Fundamental e da Educação Infantil.

– É todo um conjunto. O Rui é o único que vai fechar, mas o Nilo Batista atende a zona ru­ral com a questão dos técnicos agrícolas. Acabar com Ensino Médio no Marli Capp é tirar a opção de quem mora na região que mais cresce na cidade, que é o segundo distrito. Fechar o Ensino Médio no Elza Ber­nardo é tirar a opção no gran­de Jardim e o EJA do Edilson Duarte, para os jovens e adul­tos. E tirar o Ensino Médio do Arlete Castanho é acabar com uma referência para os defi­cientes auditivos – lamenta.