Assine Já
quinta, 21 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Parókia

Parókia planeja eventos para financiar Carnaval 2018

Sem recursos, tradicional bloco irá explorar alternativas para levantar dinheiro 

02 março 2017 - 20h30Por Rodrigo Branco I Foto: Evangelos Pagalidis
Parókia planeja eventos para financiar Carnaval 2018

O samba atravessou no Parókia no Carnaval desse ano. Não musicalmente, já que o bloco é conhecido por reunir alguns dos melhores instrumentistas de Cabo Frio e sim pela falta de dinheiro que impediu que a segunda apresentação da agremiação, que estava prevista para terça-feira (28). De acordo com o presidente e maestro Jessé Menezes, não houve verba para pagar os músicos, tampouco a estrutura mínima necessária para o evento. O cancelamento provocou frustração e críticas nas redes sociais.

– Fazer no domingo e na terça tem um custo muito grande. Pago os músicos, o que dá no mínimo R$ 2.500. Esse ano foi atípico, já que os nossos patrocinadores falaram que estavam com dificuldades para ajudar o bloco. Não tive a ajuda de ninguém. Como os custos subiram muito, não tivemos dinheiro para banheiros e para os músicos – justifica Jessé.

Mas como no clássico do sambista Noite Ilustrada, a ordem é levantar a poeira e dar a volta por cima. Segundo o presidente, que também toca trompete, a ideia é realizar eventos nos próximos meses para angariar fundos e assim financiar as atividades do bloco em 2018. Sozinho à frente da agremiação, Jessé não teve como organizar as tradicionais feijoadas, porque no ano passado sofreu um acidente vascular cerebral (AVC), que o deixou 50 dias no hospital, impedindo-o de organizá-las.

– Vamos fazer eventos para entrar dinheiro e não ficar dependendo de A ou B – disse.

De acordo com o secretário de Cultura, Ricardo Chopinho, a Prefeitura cedeu os banheiros químicos, que foram retirados apenas às 14 horas, somente após o bloco anunciar que não sairia na terça.