Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Parókia

Parókia dá início à folia em Cabo Frio

Bloco mais tradicional de Cabo Frio tem ensaio marcado para hoje, às 21h

03 fevereiro 2017 - 02h43
Parókia dá início à folia em Cabo Frio

O bloco mais tradicional da cidade, que carrega na bagagem 52 anos de história, abre os fes­tejos do Carnaval 2017. Com o pré-ensaio marcado para às 21h de hoje, o Parókia pretende es­quentar os tambores, ou melhor, os sopros, para mais um ano de folia. Sediado no coração da ci­dade, na Jorge Lóssio, o bloco é o único que ainda mantém a tra­dição de ensaios antes da festa de Momo. Para hoje, o presiden­te avisa:

– É na verdade um esquen­ta para os músicos e o público. Ainda estamos montando o ca­lendário, pretendemos fazer al­guns ensaios na rua e também no Clube Santa Helena – informou o maestro Jessé Menezes.

Jessé, além de presidente no mandato que vai até 2018, é tam­bém o filho de um dos fundado­res do bloco. O pai dele, o tam­bém maestro Jessé, criou o bloco com músicos da banda Santa Helena, nos anos 60. O que não se esperava é que o bloco marca­ria gerações e chegaria em 2017 como um dos mais queridos da cidade. Com tanta história para contar e relembrar, Jessé, o filho, luta para não deixar a tradição se perder no tempo.

– O Parókia é minha casa, onde aprendi muito na vida pro­fissional. É o ponto de encontro de famílias, onde a gente vê os amigos antigos, onde todo mun­do se encontra – declara o maes­tro Jessé Menezes.

Polêmica do desfile

Em janeiro, em uma reunião com a associação dos blocos e Secretaria de Cultura, foi acor­dado que os blocos este ano não desfilariam pela cidade. O famoso ‘esquenta mas não sai’ vai dar a tônica do carnaval de rua em Cabo Frio. Mas a medida gera polêmica e questionamen­tos. Jessé é um dos que pretende insistir para que o Parókia faça o desfile pelas ruas Jorge Lóssio e Rui Barbosa. Para ele, o bloco ficar só na concentração é pior para o trânsito na cidade.

– Queremos sair, o trajeto é curto, atrapalha mais ficar con­centrado e com a rua fechada o dia todo. Na minha opinião a me­dida de proibir a saída dos blocos não ajuda em nada – dispara.

Já o Supervisor de Cultura, Carlos Ernesto Lopes, o Carlão, explica que não houve proibição. Ele disse que houve uma reunião com a associação dos blocos e os respectivos representantes, onde fizeram um ‘acordo de cavalhei­ros’ para que excepcionalmente neste ano os blocos ficassem so­mente na concentração.

– A cidade ainda está saindo do caos que se encontrava. O pe­dido do prefeito é para garantir a segurança dos foliões. Não te­mos condições para a saída dos blocos. Mas é só neste ano. Já na segunda semana de abril vamos nos reunir com as associações para planejarmos juntos o carna­val de 2018 – informou.