Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8402 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1657 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 695 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial do Cabo

Outubro Rosa invade a Praça da Independência

Mutirão em Arraial do Cabo pretende aumentar o número de mamografias na cidade

15 outubro 2015 - 09h58

Tradicional ponto de en­contro de Arraial do Cabo, a Praça da Independência, tam­bém conhecida como Praça do Guarani, se coloriu ontem: afi­nal, sediou mais um evento da Prefeitura dedicado ao Outubro Rosa na cidade. Um bom pú­blico foi ao local onde foram montadas tendas para serviços laboratoriais, como aferição de pressão e de medição da taxa de glicose; marcação de mamo­grafias; fisioterapia; aconselha­mento e sensibilização sobre a necessidade do autoexame de mamas, entre outros. Para o presidente da Casa Amigas da Mama da cidade, Arildo Men­des, mais do que em apenas um mês, a atenção para o problema deve ser durante todo o ano.

– No mês de outubro há maior visibilidade e a gente ‘abraça a rua’. Como a causa é mundial, é mais fácil chamar as pesso­as para ela, mas é importante dizer que tanto a secretaria de Sustentabilidade como a Casa Amigas da Mama funcionam o ano todo em parceria com a se­cretaria de Saúde e com uma sé­rie de instituições promovendo ações de atendimento aos por­tadores do câncer de mama e de outros tipo de câncer. O convite é para que as pessoas conheçam o espaço da secretaria e da Casa Amigas da Mama para entender o que está acontecendo – disse Arildo, citando os cursos, bem como o atendimento fisioterápi­co, psicológico e jurídico, pro­movidos pela Casa.

    

De acordo com o Instituto Na­cional do Câncer (Inca) no biênio 2014-2015, será registrada uma média de 576 mil casos da doen­ça por ano no Brasil, dos quais 57.120 serão de mama, tanto en­tre homens como em mulheres. Aliás, esse tipo de tumor é o de maior incidência no sexo femini­no. Por outro lado, se diagnosti­cado precocemente, a chance de cura chega a 95%. No entanto, as dificuldades na rede pública muitas vezes impedem que isso aconteça, fato que faz com que Iraci Batista, 63, comemore a ini­ciativa da realização de um muti­rão de marcação de mamografias, cuja meta é de 300 exames até o fim do mês.

– A gente não tem muito acesso a isso na rede pública, de forma gratuita, sem custo nenhum. Por isso estou agrade­cida e espero que isso perdure – deseja a moradora do Morro da Cabocla.

 

Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (15)