Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Outono será de menos chuvas do que o normal

Outono será de menos chuvas do que o normal

Últimas chuvas de verão devem ocorrer neste fim de semana, de acordo com CPTEC

11 março 2016 - 10h17
Outono será de menos chuvas do que o normal

Para quem gosta de sol e praia a notícia é boa, mas quem está atrás de um clima mais parecido com o de montanha pode se decepcionar: as prometidas “águas de março”, como diz a canção, não virão este ano com a costumeira força. Na verdade, as últimas chuvas de verão, temporais fortes e de curta duração, acontecem neste fim de semana em quase todo o Estado do Rio, especialmente nas regiões Serrana, dos Lagos e Costa Verde, além de São Paulo. A informação é do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC).

– A partir da próxima sexta e em boa parte do fim de semana, uma zona de convergência de umidade na Região Sudeste, inclusive na Região dos Lagos, provoca o que se pode chamar de última chuva de verão do período. Só no Norte do estado que não. Esse cenário deve persistir até meados da próxima semana – avaliou Luiz souza, meteorologista do CEPTEC. Segundo ele, apesar da chuva, a temperatura segue elevada e a instabilidade, assim como o calor, durará até o meio da próxima semana.

Sem as famosas chuvas características do período, que costumam aliviar as altas temperaturas e prenunciar o clima mais ameno, a tendência para o restante de março é de que ocorram chuvas abaixo da média entre os dias 16 e 22. A quantidade deve oscilar na casa dos 30 milímetros quando o normal seria 55mm. O Hemisfério Sul entra oficialmente no outono no dia 20 de março, à 1h30, pelo horário de Brasília.

– Essa diminuição do volume de chuva é atribuído a sistema de alta pressão que inibe a presença de chuva – explicou.

Outono – O fenômeno El Niño, que vem influenciando o clima global desde o inverno de 2015 e continua interferindo na chuva, nos ventos e na temperatura em muitas regiões do planeta, começa a perder intensidade neste fim de verão. O ciclo de vida normal de um El Niño se estende, em geral, por 9 a 12 meses. Para o Hemisfério Sul, o ponto máximo do fenômeno ocorre normalmente durante o verão. O fenômeno deste biênio continua perdendo força no decorrer do outono deste ano, mas entra para a história climática do planeta como um dos três El Niños mais fortes já monitorados pelos meteorologistas. No entanto, apesar do prognóstico dos últimos anos, a projeção para o inverno de 2016 é que seja com as características próximas do padrão médio normal, sem interefência no oceano Pacífico Equatorial por conta de El Niño ou La Niña.