Assine Já
terça, 24 de novembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
voto

Os moradores que não querem festa da democracia

Entrevistados elegem motivos para abstenção como falta de opções e simpatia pelo anarquismo

01 outubro 2016 - 09h44Por Gabriel Tinoco
Os moradores que não querem festa da democracia

 

Numa de suas maiores alegorias, José Saramago imaginou o colapso do sistema democrático através de uma misteriosa onda de votos em branco. A Região dos Lagos ainda tem uma abstenção tímida se comparada com os 70% do ‘Ensaio Sobre a Lucidez’, mas a insatisfação, cada vez maior, permeia o caminho de muitos eleitores nas urnas. Ao contrário do romance, alguns moradores apareceram e elegeram as diversas razões para não escolher nenhum candidato no pleito municipal – dentre elas estão a falta de opções e até mesmo a simpatia pelo anarquismo.

Na última eleição, em 2012, os votos não válidos contabilizaram 21,3% das urnas de Cabo Frio – um número expressivo se comparado aos anteriores. O estudante Lucas Soares Dos Santos, 25, não demonstra confiança em nenhum projeto.

 – Votarei em branco por não identificar nenhum projeto de governo minimamente confiável. Tenho rejeição pela forma que os candidatos fazem política por aqui. É apelativa. Por exemplo, um candidato usou a filha chorando como propaganda. Em Cabo Frio, há acusações de todos os lados e propostas cheias de utopia barata – dispara.

O engenheiro Rodrigo Azevedo, 24, que votará em branco em São Pedro da Aldeia, se demonstrou cansado com o repetitivo discurso dos candidatos.

– Quando os candidatos só se atacam e prometem coisas óbvias e repetidas, ninguém deveria ser obrigado a ir votar. Dá a impressão de que não planejaram um governo antecipadamente e só estão na briga correndo pelo poder. Nada disso me convence – alegou.

A professora e sindicalista Denize Alvarenga, 48, viu sua rejeição à política aumentar conforme o passar dos anos.

– Não voto por ideologia. Não acredito no sistema representativo. Exerci esse dever por anos e constatei que o voto em uma pessoa não me representa. Acredito que a organização horizontal (sem líderes) atende melhor minha forma de lidar em sociedade. O sistema político de Cabo Frio é a minha confirmação diária – desabafa.

A estudante Enza Demaria, 22, não vê representatividade alguma em Cabo Frio.

 – Acho que vou anular meu voto. Até porque aqui na cidade ninguém me representa. Sinceramente, falta estudo por parte dos candidatos, planejamento e visão de mundo – reclama.