Assine Já
quinta, 02 de julho de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 319 Confirmados: 2909 Óbitos: 177
Suspeitos: 319 Confirmados: 2909 Óbitos: 177
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 268 582 40
Armação dos Búzios X 243 5
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 903 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 18 435 15
Saquarema 9 466 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
voto

Os moradores que não querem festa da democracia

Entrevistados elegem motivos para abstenção como falta de opções e simpatia pelo anarquismo

01 outubro 2016 - 09h44Por Gabriel Tinoco
Os moradores que não querem festa da democracia

 

Numa de suas maiores alegorias, José Saramago imaginou o colapso do sistema democrático através de uma misteriosa onda de votos em branco. A Região dos Lagos ainda tem uma abstenção tímida se comparada com os 70% do ‘Ensaio Sobre a Lucidez’, mas a insatisfação, cada vez maior, permeia o caminho de muitos eleitores nas urnas. Ao contrário do romance, alguns moradores apareceram e elegeram as diversas razões para não escolher nenhum candidato no pleito municipal – dentre elas estão a falta de opções e até mesmo a simpatia pelo anarquismo.

Na última eleição, em 2012, os votos não válidos contabilizaram 21,3% das urnas de Cabo Frio – um número expressivo se comparado aos anteriores. O estudante Lucas Soares Dos Santos, 25, não demonstra confiança em nenhum projeto.

 – Votarei em branco por não identificar nenhum projeto de governo minimamente confiável. Tenho rejeição pela forma que os candidatos fazem política por aqui. É apelativa. Por exemplo, um candidato usou a filha chorando como propaganda. Em Cabo Frio, há acusações de todos os lados e propostas cheias de utopia barata – dispara.

O engenheiro Rodrigo Azevedo, 24, que votará em branco em São Pedro da Aldeia, se demonstrou cansado com o repetitivo discurso dos candidatos.

– Quando os candidatos só se atacam e prometem coisas óbvias e repetidas, ninguém deveria ser obrigado a ir votar. Dá a impressão de que não planejaram um governo antecipadamente e só estão na briga correndo pelo poder. Nada disso me convence – alegou.

A professora e sindicalista Denize Alvarenga, 48, viu sua rejeição à política aumentar conforme o passar dos anos.

– Não voto por ideologia. Não acredito no sistema representativo. Exerci esse dever por anos e constatei que o voto em uma pessoa não me representa. Acredito que a organização horizontal (sem líderes) atende melhor minha forma de lidar em sociedade. O sistema político de Cabo Frio é a minha confirmação diária – desabafa.

A estudante Enza Demaria, 22, não vê representatividade alguma em Cabo Frio.

 – Acho que vou anular meu voto. Até porque aqui na cidade ninguém me representa. Sinceramente, falta estudo por parte dos candidatos, planejamento e visão de mundo – reclama.