Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
ocupação

Ocupantes do Miguel Couto sofrem com a insegurança

Justiça determina retorno imediato das aulas no Estado do Rio 

02 junho 2016 - 10h06
Ocupantes do Miguel Couto sofrem com a insegurança

GABRIEL TINOCO

“Esse é o verdadeiro rombo na Educação”, disse o estudante Jônatas Morais, ao apontar para a rede da quadra do Colégio Miguel Couto, em Cabo Frio, completamente destroçada. As precárias condições da infraestrutura, aliadas a outras pautas, levaram os alunos a passarem mais de um mês dentro da escola. E a ocupação virou um verdadeiro teste de resistência: segurança e alimentação têm sido os principais obstáculos dos vencedores deste desafio.

– Quando cheguei ao colégio, por volta das 11h, precisei berrar para ver se alguém me atendia. Nem sinal de vida. Retornei uma hora depois. Nesse momento, um aluno chegou à porta sem conseguir esconder a preocupa- ção no semblante. Logo o estudante me convidou para entrar e desabafou: “está complicado. Atualmente, temos problemas de falta de alimento. O pessoal aqui está mais preocupado em manter a ocupação e não tem oportunidade de buscar a comida. Estamos na base do arroz com feijão mesmo, bem básico – disse Válter Costa, de 22 anos.

Logo, Válter comemorou alguns avanços. Só no mês passado, por exemplo, a Assembleia Legislativa do Estado Rio de Janeiro (Alerj) aprovou as eleições para diretor nas unidades estaduais – a ocupação deve acabar assim que o projeto for sancionado pelo governador interino Francisco Dornelles (PP) – e o secretário estadual de Educação, Wagner Victer, confirmou o fim do Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio (Saerj).

A trajetória pelo interior do colégio continuou com os problemas se tornando cada vez mais evidentes: as cestas, traves e redes das quadras destruídas e o auditório com apenas um ventilador dentre cinco funcionando. Os portões de grade estavam enferrujados e as portas esburacadas. Os pátios foram tomados pelo mato. Muitas janelas das salas também estão quebradas. O cenário de caos aumenta ainda mais quando Válter Costa disse ter dificuldades para dormir com medo de invasões e assaltos.

– Na última segunda-feira, alguém pulou o muro e escalou as paredes da escola para roubar uma televisão. Ouvimos o barulho e ligamos para a polí- cia imediatamente. Sorte que os PMs chegaram a tempo e conseguiram evitar coisas piores. Nos primeiros dias de ocupação, também rolou um assalto e os ladrões levaram os celulares dos ocupantes. Isso desanimou muito o pessoal. A Polícia Militar passa aqui por causa de uma ronda normal. Mas poderia aumentar o efetivo. Não consigo dormir em certos dias com medo de alguma situação como essa – relatou ele, visivelmente abatido. 

 

Justiça determina desocupação e volta imediata às aulas

Depois de meses de negociação sem sucesso, a Justiça determinou que os alunos desocupem as escolas estaduais ocupadas imediatamente e retornem as aulas. A decisão, da 2ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, foi divulgada na noite de quarta-feira e os alunos poderão permanecer nas áreas comuns das escolas, mas terão que permitir a entrada e a livre circulação nas escolas.