Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Orla

Obras na orla da Prainha começam dia 10

ICMBio pede retirada de três quiosques; reforma deve ser concluída em até um ano

30 julho 2015 - 10h18

Gabriel Tinoco

 

O prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho (PMDB), preten­de concluir a revitalização da orla da Prainha sem prejudicar o comércio na praia e dentro do prazo determinado. Em en­trevista à Folha, Andinho disse que resolverá o impasse com o Instituto Chico Mendes de Bio­diversidade (ICMbio), que pede a retirada de três quiosques para transformar em uma área de em­barcações de pesca. O político se reuniu com quiosqueiros no início desta semana para dar es­clarecimentos e tranquilizá-los sobre o caso.

O prefeito fez reunião com representantes do Ministério Público e do instituto para de­bater a permanência ou altera­ção do projeto judicialmente na manhã de ontem. A revitaliza­ção da Prainha deverá iniciar a partir do próximo dia 10. Andi­nho ainda afirmou que os pes­cadores não serão prejudicados com o projeto apresentado pelo Governo Municipal. A obra obedece ao Termo de Ajuste de Conduta (TAC).

Folha dos Lagos – Como está o andamento das obras?

Andinho – A obra deverá ser concluída de dez meses a um ano, no máximo. O processo de licitação para a empreiteira res­ponsável pelas obras já está bem próximo de ser concluído. A si­nalização da concorrência está cumprindo todos os prazos do recurso. Acredito que tudo este­ja pronto até o próximo dia 10.

Folha – As negociações com o ICMbio estão avançadas?

Andinho – O ICMbio faz um questionamento em relação ao espaço do pescador, o que já está contemplado dentro do projeto. Não existe retirar três quiosques da orla. Não dá para desqualificar a obra dessa ma­neira. Até fiz uma proposta para destruir apenas um quiosque da orla, mas três é um absurdo. O governo não pode declinar para qualquer impasse.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (30).