Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8402 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1657 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 695 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Prainha

Obras da orla da Prainha, em Arraial, são retomadas

Novo prazo para conclusão do trabalho, a cargo do governo do estado, é dezembro deste ano

14 abril 2016 - 13h12
Obras da orla da Prainha, em Arraial, são retomadas

Caminhões voltaram a circular no local depois de mais de três meses (Foto do leitor)

A movimentação no canteiro de obras nos últimos dias confirmou o que muitos moradores já desconfiavam. As obras de revitalização da orla da Prainha, em Arraial do Cabo, foram retomadas depois de quase quatro meses. A informação foi confirmada pela secretaria estadual de Obras, responsável pelo serviço, incluído no programa ‘Somando Forças’. Retirados há cerca de mês, equipamentos e contêineres voltaram a ser levados para o local. Orçado em R$ 8 milhões, o projeto tem prazo para ser concluído em dezembro.

Na edição de 16 de março, foi publicado que a secretaria estadual de Obras paralisou o trabalho por falta de verba, uma vez que o estado passa por sérias dificuldades financeiras. Anunciada com pompa pela prefeitura, a reforma do espaço que passará a contar com novos quiosques, passeio público e paisagismo teve início no fim do ano passado, mas desde o início foi cerca de polêmicas. A própria obra em si foi fruto de um acordo entre a prefeitura, a Colônia de Pescadores e o Ministério Público de São Pedro por meio de um Termo de Ajuste de Consulta (TAC). O canteiro de obras foi outro problema, pois houve críticas sobre o local onde foi instalado, uma área de preservação ambiental.

Aguardada com ansiedade, a obra vai representar melhoria nas condições de trabalho para os donos de quiosques, hoje acomodados de forma improvisada em pequenas barracas. O morador Marcos Henrique de Jesus Pinto critica a atuação da prefeitura no imbróglio.

– Sabemos que o estado está sem dinheiro, mas juridicamente ele pode ser processado, se forem comprovados os valores depositados, pagos ou o que resta em conta, ou o prefeito Andinho faz a obra com parte dos R$ 40 milhões que recebeu do royalties, que o município pegou de empréstimos como valores antecipados. Já que ele mesmo afirmou várias vezes que, se o estado não fizesse a obra o município faria, por que a obra da Orla da Prainha e o Parque Público eram prioridades em seu Governo. É lamentável pois é a comunidade que sofre, os quiosqueiros que sofrem, a população que sofre e os turistas que nos visitam que sofrem. Agora, em ano eleitoral, vão querer mostrar serviço para elegerem seus candidatos – disse o morador cabista.

(*) Matéria atualizada em 15/04 às 11:27h.