Assine Já
segunda, 10 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
http://www.alerj.rj.gov.br/
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 37383 Óbitos: 1430
Confirmados Óbitos
Araruama 9540 293
Armação dos Búzios 4618 57
Arraial do Cabo 1313 69
Cabo Frio 9882 523
Iguaba Grande 3740 92
São Pedro da Aldeia 5088 224
Saquarema 3202 172
Últimas notícias sobre a COVID-19
ampla

OAB vai ao MP contra a Ampla

Queda diária de energia em Arraial do Cabo há quase um mês é o motivo

25 junho 2015 - 08h54

A paciência acabou. A subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Cabo Frio e Arraial do Cabo encaminhou, no início da semana, um ofício à 1ª Promotoria de Tutela Coletiva do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) pedindo providências quanto às quedas de energia elétrica em Arraial que, segundo os moradores, tem acontecido diariamente em dois horários: pela manhã e no fim da tarde.
Os apagões, que têm provocado prejuízos materiais e profissionais aos cabistas, já tinham sido abordados em matéria da Folha, publicada na edição do último dia 11. O secretário da entidade, Renato Gonçalves, confirmou a informação e disse que a iniciativa de recorrer ao MP foi dele. Ele contesta a qualidade do serviço da Ampla, concessionária responsável pelo fornecimento e manutenção da energia em toda a região.
– Isso (quedas de energia) vem acontecendo em Arraial do Cabo há praticamente 25 dias ininterruptos. Já é um fato corriqueiro e que tem afetado a vida de todo mundo. Pode gerar queima de produtos e muita gente relatou que teve prejuízo profissional, perdendo trabalhos. Com base nisso, recorremos ao Ministério Público, para que ele cobre explicações da concessionária quanto aos recentes aumentos na tarifa (37%, em abril) e ao serviço prestado à população – explicou.


Advogado orienta ida à Justiça


Enquanto a Ampla não conclui a manutenção que faz na rede em Arraial, fato alegado pela concessionária para as frequentes quedas de luz, as reclamações se avolumam, principalmente pelas redes sociais; e os prejuízos, também. Para casos como esses, Renato Gonçalves afirma que o caminho para a reparação é a Justiça. Portanto, a orientação, em caso de queima de eletroeletrônico, é levar o equipamento para a assistência técnica a fim de que se comprove que o dano foi consequência dos picos de energia. De posse do laudo, é possível pedir não apenas a restituição do valor do reparo, como uma quantia por danos morais. No entanto, Gonçalves alerta quanto à instância que o cidadão que se sentir prejudicado deve recorrer.
– Se o prejuízo for superior a 40 salários mínimos (cerca de R$ 31,5 mil), no caso de uma empresa, por exemplo, a saída é a Justiça comum. Mas normalmente, quando é apenas uma televisão ou outro aparelho, por exemplo, o caminho é o Juizado Cível – orienta Renato.