Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
doações

O templo do rock’n’roll

Roqueiros do Matanza doam alimentos a igreja em Cabo Frio

31 janeiro 2017 - 07h16
O templo do rock’n’roll

 Quem insiste em dizer que rock é coisa do mal está redon­damente enganado. Os roquei­ros do Matanza ultrapassaram a barreira do preconceito e doa­ram 300 quilos de alimento não perecível ao Centro Evange­lístico Internacional (CEI), em São Cristóvão, em Cabo Frio, na manhã de ontem. No último sábado, os integrantes da banda estiveram na cidade para o show no festival Matanza Beer Fest II.

Além dos alimentos, foram doadas 400 latinhas de refrigerante que sobraram do festival. O even­to reuniu em torno de 650 pesso­as na Sociedade Musical Santa Helena, no centro da cidade.

Um dos produtores do festi­val, Lucas Muller, afirma que os organizadores aproveitaram o trabalho filantrópico do CEI para alimentar moradores de rua.

– Escolhemos o CEI porque já tem esse trabalho há anos. Eles alimentam moradores de rua. No grupo da produção, as pessoas têm várias religiões, mas essa não é uma questão religiosa. Foi hu­manitária. Todos os nossos even­tos são beneficentes. No último Rock Humanitário, por exemplo, ajudamos 14 instituições. Nosso próximo evento também será be­neficente: o Noise Fest.

O produtor Lucas Muller res­salta que o desconhecimento sobre o rock gera o preconceito. Ele é protestante e garante: não há problemas entre o gênero e o cristianismo.

– Isso é um mito. Eu mesmo sou protestante. Na nossa equi­pe, há ateus, espíritas, umbam­distas, evangélicos, católicos... A música vai muito além disso. Ainda mais o rock, que é muito abrangente. Há várias vertentes do rock hoje. Qualquer citação que reduza o rock é ignorância – argumenta.

Quem está muito agradecido aos membros do Matanza e à produção do show é o pastor Fa­brício Valadares.

– Nós temos projetos sociais relevantes na cidade. No primei­ro andar da igreja, funciona um restaurante que alimenta dia­riamente 150 pessoas. Dentre elas, moradores de rua, pobres, desempregados... É um projeto muito dispendioso. Agradeço ao Matanza e aos organizadores. É uma responsabilidade de todos: cuidar dos pobres. Não tem pla­ca, não tem religião. Isso está muito acima de todas essas cer­quinhas que nós criamos – afir­ma o pastor, que rasgou elogios aos colaboradores.

– Não digo que é uma atitu­de cristão. Religião não se en­quadra nessa atitude. Esse deve ser um dever de todo cidadão de bem. Todos os organizadores do evento e o Matanza tiveram ati­tude. A religião é muito pouco diante da atitude. Quero para­benizar ao Matanza e a todos os organizadores – conclui.