Assine Já
segunda, 18 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
brigitte bardot

'O que Búzios se tornou hoje me deixa atordoada', diz Bardot

Brigitte lança livro de frases memoráveis e fala do balneário

05 março 2017 - 11h16
'O que Búzios se tornou hoje me deixa atordoada', diz Bardot

Quando os mais novos associam a estrela Brigitte Bardot com o estrelado balneário de Búzios, provavelmente vem à cabeça a atmosfera de glamour que costuma cercar celebridades desse quilate e balneários desse quilate. A impressão, no entanto, é bem diferente da de Bardot, que no livro Répliques e Piques, que acaba de ser publicado, compara sua estadia em Búzios com a vida de Robinson Crusoé, um famoso náufrago da literatura que vivia cercado de canibais e em situação para lá de precária. O tom, no entanto, é amoroso:

– Guardo recordações únicas. Uma lembrança mágica, magnífica. Na época era apenas uma aldeia de pescadores sem água encanada ou eletricidade. Vivíamos como Robinson Crusoé em praias selvagens e desertas. As ruelas eram cheias de leitões pretos e galinhas. Nós vivíamos de pesca, farofa, mangas e muito sol – disse a musa de Godard, hoje aos 82, sobre sua estadia de cerca de três meses no balneário com o namorado, o franco-marroquino Bob Zagury.

Brigitte, por outro lado, muda de tom ao vislumbrar a cidade como é hoje.

– Foi o lado selvagem do lugar que me seduziu. Mas o que Búzios se tornou hoje me deixa atordoada. É uma pena – complementa, em entrevista exclusiva à Rádio Francesa Internacional.

Afastada do cinema, a francesa, na conversa com a RFI, falou ainda sobre sua nova ocupação: a luta pela defesa dos animais, que ela empenha há 40 anos.

– Com exceção de algumas poucas iniciativas, quase nada mudou. Claro que há uma conscientização da opinião pública, mas esse não é o caso do lado dos políticos – lamenta ela, que vive reclusa na Mandrague, sua casa em SaintTropez, no sul da França.