Assine Já
segunda, 26 de julho de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
Folha diária

O jornal que você lê: os caminhos para a informação chegar ao leitor

Ao longo de 20 anos, o processo de levar a notícia ao público modernizou-se bastante

06 julho 2019 - 15h29Por Texto e foto: Rodrigo Branco
O jornal que você lê: os caminhos para a informação chegar ao leitor

Os leitores talvez não imaginem, mas até que a edição chegue ‘quentinha’ de manhã cedo nas bancas, existe um trabalho que começa quase 24 horas antes, na definição das pautas, que resultam na apuração, redação e edição das matérias. Ao longo desses últimos 20 anos, em que o veículo circula diariamente, esse processo passou de um estágio quase artesanal para a era moderna, embora não menos trabalhosa.

No começo da circulação diária da Folha, tal qual um trabalho escolar, a edição era montada em tiras: textos, fotos, manchetes e linhas eram coladas nos devidos lugares e acondicionadas em uma caixa. À época, o jornal era impresso em uma gráfica terceirizada em Niterói, o que tornava a tarefa de imprimir os exemplares uma verdadeira corrida contra o tempo.

O motorista Ernandes Joaquim completa 20 anos de jornal em setembro e acompanhou toda a fase de transição. Ele conta que saía de Cabo Frio por volta das 16 horas e voltava da gráfica cerca de 12 horas depois, em cima da hora para vencer os 180 Km de distância e não perder o ‘horário de banca’, ou seja, o horário limite que as distribuidoras entregam os exemplares para os jornaleiros.

– Teve época de sair de Niterói 4 horas da manhã e chegar aqui 5 horas da manhã, toda noite. Faça sol, faça chuva, tem 20 anos aí. É uma responsabilidade, tem hora para chegar com a mercadoria, senão perde a venda. Se perdeu a banca, mesmo colocando de banca em banca perde 70% da venda. Todos os dias tem esse compromisso. Gosto de trabalhar aqui, conheci muita gente. Vida de jornal é assim mesmo, enquanto uns dormem, outros trabalham – diz Ernandes.

A partir do começo dos anos 2000, o jornal começou a aperfeiçoar a produção, de acordo que tomava contato com novas tecnologias. O jornalista e fundador Moacir Cabral comenta as dificuldades nos primeiros tempos em que a internet ainda engatinhava. Ainda assim, houve um grande ganho de agilidade e a extensão do horário de fechamento, antes mais cedo.

– O carro diariamente levava o jornal por volta de 3 horas da tarde. Mas durou pouco tempo, logo o jornal se aperfeiçoou tecnologicamente para atender isso aí. Passou a se levar uma, duas horas para enviar cada página. Mesmo assim, o processo era muito lento, porque a internet era via rádio. Com a modernidade, o jornal está lá em segundos. Hoje chega em tempo real – relembra Cabral, que ainda mantém a aposentada antiga máquina de escrever Remington na sede do jornal, onde hoje funcionam modernos computadores.

De fato, os novos processos de edição tornaram o fechamento do jornal muito mais dinâmico na atualidade. Não é raro mudar boa parte do conteúdo produzido momentos antes de enviar as páginas por e-mail para gráfica que atualmente presta o serviço, que fica em Iguaba Grande.

Os exemplares são rodados até as duas horas da madrugada e de lá são levados para as prefeituras da região e para a distribuidora que fica no bairro de São Cristóvão. E de lá para a Rasa, Geribá, Balneário ou Jardim Esperança. Dentro do ‘pequeno milagre’ que é fechar um jornal diário, a tarefa de informar a região há décadas é cumprida com muito trabalho, suor e horas de estrada.