Assine Já
domingo, 01 de agosto de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46303 Óbitos: 1873
Confirmados Óbitos
Araruama 11418 357
Armação dos Búzios 5492 58
Arraial do Cabo 1574 87
Cabo Frio 12663 757
Iguaba Grande 4763 115
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

O garimpo que vem da ressaca

Mar agitado leva garimpeiros às praias em busca de objetos de valor 

20 julho 2019 - 09h47
O garimpo que vem da ressaca
TOMÁS BAGGIO

A cena é cada vez mais comum. Você está andando na praia e vê alguém com um aparelho que vai da altura da cintura até o chão. Sempre escavando a areia e passando o aparelho rente ao solo. E assim vai, durante horas, até se abaixar e pegar alguma coisa. Os aparelhos são detectores de metais, e seus portadores são chamados de garimpeiros de praia. Estão em busca de joias, mas também se agradam com moedas e retiram, até mesmo, lixo e objetos perigosos.
 
- O que a gente acha mais é aliança. Mas tem muita moeda também. Cordão é mais difícil, só pega se tiver um pingente ou fecho grande. Quando identifica alguma coisa ele apita e a gente cata - explica Edilan Félix, que estava ontem na Praia do Forte junto com o primo, Renan Damaceno.
 
- Hoje ainda não deu nada. Mas tem dia que é muito bom - completa Renan.
 
Renan concilia a atividade com outro trabalho em uma das barracas da praia. Dependendo do dia, o garimpo vale mais a pena, ele diz. Já Edilan, atualmente sem emprego, faz apenas o garimpo. E se dedica a isso. Tanto é que precisou investir na atividade. 
 
Esse tipo de aparelho é dividido pelos usuários em duas faixas. Os mais simples custam a partir de R$ 400. Modelos melhores podem chegar a R$ 8 mil.
 
Edilan comprou dois. Um de R$ 3 mil - que estava com o primo - e outro de R$ 7 mil - que estava com ele. E não se arrepende.
 
- Comprei há dois anos e já tem um tempo que consegui tirar esse valor. São equipamentos bons, à prova d'agua. Muitas vezes eu prefiro fazer o garimpo dentro do mar do que na areia. Esse aqui pode ir até 60 metros, mas eu faço até onde dá pé mesmo - conta ele.
 
Com a ressaca no mar, a procura fica maior. Além dos primos, outros dois amigos também faziam garimpo ontem na praia. Cleber Cavalcanti e Eider Barreto são vizinhos. Cleber já gravou até vídeos para o YouTube mostrando como funciona. 
 
 
 
- Sou novato nisso, faço há um ano mais ou menos. Mas é bom, tenho encontrado bastante coisa, às vezes de ouro e prata. No verão, principalmente, é muito bom. Mas fora também encontra. Tem que ver a hora da maré baixa, porque dá pra ir mais pra dentro. Já tive dia de tirar R$ 300 e já aconteceu de conseguir até mais de R$ 1 mil. Nem sempre é assim, claro. Hoje não achei nenhum ouro ainda - afirma.
 
Eider chama a atenção para outro ponto. Durante a busca por jóias, muitas vezes o que encontram é lixo. E saem recolhendo.
 
 
- A gente tira muitas coisas perigosas. Anzóis, pedaços de ferro com pontas. Tem partes de barraca que se soltam e ficam com as pontas para fora. O mar leva isso tudo, e quando traz de volta na ressaca é um perigo. As pessoas deviam evitar de ir correndo para a água. Se pisa em um negócio desses é um problema grande. Ou seja, estamos ajudando a natureza e as pessoas também - argumenta ele.