Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
lgbt

“O fundamentalismo já chegou à nossa Câmara”

Presidente de ONG LGBT comenta a situação do município

19 maio 2015 - 09h52

As algumas dezenas de cruzes cravadas na areia da Praia do Forte, domingo, tinham um recado para dar: acabou a paciência com os crimes cometidos por homofobia. A ação foi iniciativa do Grupo Iguais (ONG que milita pelos direitos LGBT), para lembrar o Dia Municipal de Combate à Homofobia. Em entrevista à Folha, o presidente do Iguais, Rodolpho Campbell, comenta sobre a situação da militância LGBT em Cabo Frio e faz críticas à Câmara Municipal:

– Infelizmente, o fundamentalismo já chegou à nossa Câmara Legislativa – lamenta.

Folha dos Lagos – Qual a importância de ações como a de domingo?

Rodolpho Campbell – Mostrar à sociedade que sabemos nos manifestar e como nossa população sofre por falta de legislações punitivas aos atos homofóbicos.

Folha – Como está a situação da luta contra a homofobia no município?

Campbell – Infelizmente o fundamentalismo já chegou à nossa Câmara Legislativa. O local onde tínhamos antes grandes parceiros hoje encontra-se com uma dita “bancada evangélica”, que cisma em segurar, embarreirar e votar contra nossas matérias. Mas nossa militância mostra a eles que temos força e que não nos deixamos calar. Sempre que necessário jogamos eles na berlinda e repudiamos seus desserviços.

Folha – E por que você acha que a Câmara trava tantos projetos de cunho LGBT?

Campbell – Por conta de um fundamentalismo religioso recrudescido que os legisladores tentam passar aos seus eleitores, se posicionando contra tais matérias para favorecimento junto ao seus alvos eleitorais.

Folha – Em comparação com as grandes capitais, Cabo Frio é mais ou menos segura para o homossexual?

Campbell – Hoje ainda é mais segura, mas os instrumentos de investigação para solucionar casos de homofobia ainda são muito inferiores à capital.

Folha – Na sua visão, como o assunto da igualdade de sexos é abordado em ambiente escolar e universitário?

Campbell – Ainda de maneira peculiar, mas aos poucos a militância tem conseguido abrir portas para um diálogo mais horizontal e junto com a militância. Em Cabo Frio, por exemplo, em maio e julho sempre conseguimos levar palestras para as escolas de ensino médio.