Assine Já
domingo, 12 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
Sala de aula

O dia em que a rua de Cabo Frio virou sala de aula

Comunidade estudantil protesta, ocupa a prefeitura, mas não é recebida por Alair

22 outubro 2015 - 09h21Por Rodrigo Branco

Centenas de alunos da rede municipal de Cabo Frio troca­ram ontem as escolas pelas ruas da cidade, mas não se tratava de ‘matar aula’. O motivo foi nobre: se juntar ao protesto de professores e funcionários da Educação cabofriense que mo­vimentou o Centro e terminou com uma ocupação ao prédio da Prefeitura, na praça Tiraden­tes. Apesar de tudo, pelo menos até o fechamento desta edição, o grupo não tinha sido recebido pelo prefeito Alair Corrêa (PP), tampouco por algum represen­tante do governo muncipal. A paralisação dos profissionais do ensino prossegue hoje.

    

A extensa pauta de reivin­dicações que inclui calendário fixo de pagamento, enquadra­mento por formação e mudança de nível, entre outras, um ingre­diente extra: a possibilidade de passar as unidades de Ensino Médio para o Estado, conforme recomendação do Ministério Pú­blico. Mas no que depender do vigor apresentado pelos estu­dantes do colégio Rui Barbosa e das demais escolas na mesma condição (Marli Capp, Elza Ma­ria Santa Rosa Bernardo, Nilo Batista e Edilson Duarte) isso não acontecerá sem resistência. As palavras de Ruan Vidal, di­retor de Política do grêmio estudantil do Rui Barbosa, deram a senha que o fôlego juvenil está longe de acabar.

– Só vamos sair das ruas de­pois que o prefeito garantir que vai manter o Rui municipal. Nem que a gente tenha que vir às ruas todos os dias – ameaça.

E após dias de convocação nas salas de aula e pelas redes sociais, os estudantes mostraram que não estavam para brincadei­ras. Munidos de faixas e carta­zes e gritando palavras de ordem contra o Governo e o prefeito, eles ocuparam a Praça Porto Ro­cha desde o início da manhã. A Guarda Municipal teve trabalho, pois parte da Avenida Assunção, sentido Passagem, teve que ser interditada, e o trânsito, que chegou a ficar engarrafado por um período, foi desviado pelas ruas 13 de Novembro e Raul Veiga.

Revoltados com os atrasos salariais, professores e outros servidores da Educação também criticaram duramente o prefeito em ato na praça. Para a diretora do Sepe, Denise Teixeira, a paci­ência da categoria acabou.

– Tanto a categoria como os alunos estão chegando num mo­mento de esgotamento e para completar tem essa situação da estadualização do Ensino Médio que está revoltando os alunos, além da falta de alimentação, da falta de material didático, como papel, que é o básico. Portanto, está mexendo diretamente com a população – Denise Teixeira.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (22)