Assine Já
quinta, 24 de junho de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
16ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Sala de aula

O dia em que a rua de Cabo Frio virou sala de aula

Comunidade estudantil protesta, ocupa a prefeitura, mas não é recebida por Alair

22 outubro 2015 - 09h21Por Rodrigo Branco

Centenas de alunos da rede municipal de Cabo Frio troca­ram ontem as escolas pelas ruas da cidade, mas não se tratava de ‘matar aula’. O motivo foi nobre: se juntar ao protesto de professores e funcionários da Educação cabofriense que mo­vimentou o Centro e terminou com uma ocupação ao prédio da Prefeitura, na praça Tiraden­tes. Apesar de tudo, pelo menos até o fechamento desta edição, o grupo não tinha sido recebido pelo prefeito Alair Corrêa (PP), tampouco por algum represen­tante do governo muncipal. A paralisação dos profissionais do ensino prossegue hoje.

    

A extensa pauta de reivin­dicações que inclui calendário fixo de pagamento, enquadra­mento por formação e mudança de nível, entre outras, um ingre­diente extra: a possibilidade de passar as unidades de Ensino Médio para o Estado, conforme recomendação do Ministério Pú­blico. Mas no que depender do vigor apresentado pelos estu­dantes do colégio Rui Barbosa e das demais escolas na mesma condição (Marli Capp, Elza Ma­ria Santa Rosa Bernardo, Nilo Batista e Edilson Duarte) isso não acontecerá sem resistência. As palavras de Ruan Vidal, di­retor de Política do grêmio estudantil do Rui Barbosa, deram a senha que o fôlego juvenil está longe de acabar.

– Só vamos sair das ruas de­pois que o prefeito garantir que vai manter o Rui municipal. Nem que a gente tenha que vir às ruas todos os dias – ameaça.

E após dias de convocação nas salas de aula e pelas redes sociais, os estudantes mostraram que não estavam para brincadei­ras. Munidos de faixas e carta­zes e gritando palavras de ordem contra o Governo e o prefeito, eles ocuparam a Praça Porto Ro­cha desde o início da manhã. A Guarda Municipal teve trabalho, pois parte da Avenida Assunção, sentido Passagem, teve que ser interditada, e o trânsito, que chegou a ficar engarrafado por um período, foi desviado pelas ruas 13 de Novembro e Raul Veiga.

Revoltados com os atrasos salariais, professores e outros servidores da Educação também criticaram duramente o prefeito em ato na praça. Para a diretora do Sepe, Denise Teixeira, a paci­ência da categoria acabou.

– Tanto a categoria como os alunos estão chegando num mo­mento de esgotamento e para completar tem essa situação da estadualização do Ensino Médio que está revoltando os alunos, além da falta de alimentação, da falta de material didático, como papel, que é o básico. Portanto, está mexendo diretamente com a população – Denise Teixeira.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (22)