Assine Já
sábado, 19 de junho de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 43323 Óbitos: 1676
Confirmados Óbitos
Araruama 10701 336
Armação dos Búzios 5202 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11534 622
Iguaba Grande 4461 107
São Pedro da Aldeia 5895 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Enterro

O adeus de um grande promotor

Sebastião Fador é enterrado diante da comoção de amigos e parentes em Cabo Frio

10 fevereiro 2017 - 01h26
O adeus de um grande promotor

Sob o caixão, bandeiras da Or­dem dos Advogados do Brasil e do Rio de Janeiro, instituições pelas quais o promotor de Justiça Sebastião Fador Sampaio lutou em toda carreira. Na tarde de on­tem, quando seu corpo foi sepul­tado, parentes, colegas de traba­lho e amigos seguiram da capela em direção ao Cemitério Santa Izabel cantando um hino religio­so e não faltaram elogios ao cará­ter e à trajetória do advogado.

– Quando ele veio para cá, foi a segunda promotoria dele. Veio para Cabo Frio recém-formado, mas era um advogado criminal de primeira. Ficou mais de vinte anos aqui. Antes, ele tinha um cliente em Rio Bonito. Quando assumiu a Promotoria, ele prendeu o de­legado e o ex-cliente – lembra o amigo e também advogado Paulo Badhu, fazendo alusão ao caráter implacável de Fador, que não re­sistiu a um câncer, aos 73.

Fador Sampaio era um dos profissionais de Direito mais con­ceituados na cidade. Sua fama no município era de um promotor li­nha-dura que desmantelava casas de prostituição e jogo do bicho.

Mas, sem sombra de dúvidas, o caso de mais relevância da carreira do promotor foi o Doca Street. O processo, que correu no fim dos anos 70, resultou na pri­são de Raul Fernando do Amaral Street, que matou a tiros a atriz Ângela Diniz na Praia dos Os­sos, em Búzios, então distrito de Cabo Frio.  O assassinato aconte­ceu em 30 de dezembro de 1976.

– Esse caso teve repercussão no mundo inteiro. A imprensa in­ternacional veio para Cabo Frio: jornalistas da Inglaterra, da Ale­manha estavam aqui para cobrir os dois julgamentos. Fomos ad­versários nesse caso, mas tam­bém fomos amigos desde que ele chegou aqui. Nos conhecíamos como bons advogados que éra­mos – rememora Paulo Badhu.

O subtenente da Polícia Mi­litar Mauro Bernardo trabalhou como segurança dos filhos do promotor. O policial ressalta a coragem de Fador.

– Conheci Fador quando eu era soldado. Ele combatia muito o jogo de bicho, casa de prosti­tuição, carteado, esses negócios. Ameaçavam muito ele e a famí­lia. Eu também combatia muito essas coisas. O Fador viu meu serviço e começamos nossa ami­zade. Ele pediu para que fizesse a segurança dos filhos dele, que hoje estão com 40 anos. Quando ele descobria um ponto de bicho, uma casa de prostituição, me chamava e íamos nós. Prendía­mos todo mundo, fechávamos as casas. Ele era conhecido como o promotor operacional, porque era o único que saía para pren­der. Era corajoso e incorruptível – relembra Bernardo.

A lembrança do advogado Carlos Magno de Carvalho é a de um homem que recusou be­nefícios em prol do seu trabalho.

– Era uma pessoa correta e que, como Promotor de Justiça, con­tribuiu muito para o município. Gostava tanto da cidade que abriu mão de promoções para aqui con­tinuar exercendo seu serviço.