Assine Já
quarta, 20 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Eleições

Novela da eleição termina até dezembro

TSE afirma que ‘vai se esforçar’ para julgar todos os recursos até diplomação

19 outubro 2016 - 19h06Por Redação I Foto: Arquivo Folha
Novela da eleição termina até dezembro

O embate jurídico envolvendo a situação da candidatura de Marquinho Mendes (PMDB) à Prefeitura de Cabo Frio tem data para acabar: 19 de dezembro, prazo estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral para a diplomação dos eleitos no começo deste mês, caso de Marquinho, que obteve importante vitória pelo deferimento da sua candidatura no TRE-RJ, na última segunda-feira. A Procuradoria Regional Eleitoral já anunciou que recorreu da decisão – leia abaixo – e Rede Sustentabilidade e PDT avisaram que farão o mesmo.

Em nota, a Justiça Eleitoral informou que “vai se esforçar para julgar todos os casos até a data da diplomação”. Mas, para a equipe que atua na defesa do peemedebista, o quadro se definirá favoravelmente a Marquinho Mendes bem antes disso, em meados do mês que vem. Essa é a expectativa do advogado David Figueiredo.

– Agora, o Tribunal vai abrir um prazo para as contrarrazões. O presidente do TRE aprecia e envia o processo para Brasília. Não temos previsão de quanto tempo isso vai demorar, mas acredito que será resolvido na metade de novembro. Uma coisa é certa: será antes da diplomação – disse, confiante, David.

A principal contestação ao deferimento de Marquinho, o que  inclusive acarretou na estreita margem de votação no TRE (4 a 3) é a respeito de uma interpretação da legislação eleitoral.

Segundo procuradores eleitorais e advogados de adversários de Marquinho, o prazo de inelegibilidade imposto pela Lei da Ficha Limpa (2010) – oito anos – deveria ter sido levado em conta no processo 101, pelo qual Marquinho foi condenado em 2008 por abuso de poder político e econômico. David Figueiredo afirmou que alguns ministros do TSE já deram sentenças contrárias à retroatividade da pena.

– Dos ministros do Supremo Tribunal Federal que fazem parte do TSE, o Gilmar Mendes, que é o presidente, já deu uma liminar nesse sentido. De todos eles, acho que só o (Luiz) Fux que não – relatou o advogado.

Do STF, além deles, fazem parte do colegiado do TSE a ministra Rosa Weber, como titular, e os ministros Edson Fachin, Teori Zavascki e Luís Roberto Barroso, como substitutos. O corpo efetivo é composto por sete ministros.