Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Lagoa

Nova mortandade de peixes na Lagoa preocupa autoridades ambientais

Especialistas apontam como causas falta de renovação da água e asfixia por proliferação de algas

22 março 2016 - 10h22Por Rodrigo Branco
Nova mortandade de peixes na Lagoa preocupa autoridades ambientais

Imagem de impacto: centenas de espécies de peixes formam verdadeiro ‘tapete cinza’ às margens da laguna (Reprodução de internet)

A visão é das mais impactantes: um autêntico ‘tapete’ cinza às margens da Lagoa de Araruama. O problema da mortandade peixes na maior laguna hiperssalina do mundo é recorrente. Os especialistas e autoridades na área ambiental enumeram várias justificativas, mas a unanimidade reside na opinião de que a maciça ocupação residencial e comercial no seu entorno não veio acompanhada na mesma proporção de um sistema de esgotamento sanitário eficiente.

– Na verdade, isso acontece por um somatório de fatores. Em primeiro lugar, por causa da alta temporada, quando há uso maior de água e de produção de esgoto, tratado ou não. Com isso, ocorre o que chamamos de fenômeno da eutrofização, que é a supernutrição do corpo hídrico. As chuvas agravaram o quadro. De maneira simplória, isso ‘aduba’ as algas, mudando sua coloração e diminuindo a quantidade de oxigênio na água – explica o biólogo e professor universitário Eduardo Pimenta.

Segundo o especialista, a renovação da água da laguna, por meio da troca do mar poderia ajudar a amenizar o problema, no entanto, as grandes áreas assoreadas em pelo menos nove pontos dificultam a tarefa.

– A dragagem desses pontos seria fundamental, para que haja circulação de água oceânica, mas isso não ocorre desde 2011 – conclui o biólogo.
A presidente do Comitê de Bacias Lagos – São João, Dalva Mansur, faz coro com o estudioso, mas enfatiza que a principal causa para a morte dos peixes não é a intoxicação química e sim asfixia mecânica, por conta das algas que ficam presas às guelras dos animais.

– Com essas chuvas de verão, houve um grande aumento no número de microalgas. Os peixes acabaram asfixiadas com essas algas. Não se trata de contaminação, é um problema físico. Imagina se você tem um estômago de um tamanho e come mais do que a sua capacidade? É o que acontece – compara.

(*) Leia a matéria completa na edição desta terça-feira da Folha dos Lagos.