Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Adriano

No ranking da eficiência, Adriano desbanca demais candidatos em Cabo Frio

Com mais de 23 mil votos e R$ 62 mil de orçamento, candidato do Rede investiu R$2,68 por voto

06 outubro 2016 - 01h30Por Rodrigo Branco I Foto: Gabriel Tinoco
No ranking da eficiência, Adriano desbanca demais candidatos em Cabo Frio

O último dia para prestação de contas é 1º de novembro, mas já é possível ter uma boa noção de quais candidatos a prefeito de Cabo Frio empregaram melhor os recursos recebidos durante a campanha eleitoral deste ano.

Se, no resultado oficial, a Jus­tiça ainda vai definir o destino da cidade para os próximos qua­tro anos, no quesito custo-bene­fício, não restam dúvidas de que o Adriano Moreno, da Rede Sus­tentabilidade, levou a melhor.

Com uma campanha modes­ta para os padrões de disputas majoritárias, Adriano arrecadou, segundo o site do Tribunal Su­perior Eleitoral, a quantia de R$ 62.655,50. Como saiu das urnas com 23.287 votos, ele investiu R$ 2,68 por cada voto recebido, a menor quantia entre todos os prefeitáveis.

Um investimento em si mes­mo, diga-se de passagem, uma vez que, segundo matéria publi­cada na edição do último dia 28 de setembro, o maior doador de sua campanha foi o próprio mé­dico ortopedista, que também cumpre mandato de vereador. Entre as despesas, predomina­ram os gastos com a produção dos programas de TV e com ma­terial impresso.

Apesar de o resultado de do­mingo não ter sido o espera­do, Cláudio Leitão (PSOL) é quem ocupa o segundo lugar no ranking da eficiência na aplica­ção dos recursos de campanha. Contando com o trabalho volun­tário da militância, o socialista gastou R$ 8.904,09, boa parte saídos do próprio bolso, para amealhar 2.728 votos. Na mé­dia, foram R$ 3,26 gastos por voto recebido.

Marquinho Mendes (PMDB), cuja vitória nas urnas está ‘sub judice’, gastou quase R$ 313 mil, a maior parte com pessoal e produção do programa eleitoral, para conseguir, no fim das con­tas, 44.161 votos. Isso represen­ta R$ 7,08 por voto conquistado.

 Se não foram bem-sucedi­dos do ponto de vista eleito­ral, Janio (PDT) e Paulo César (PSDB) também ficam marca­dos por terem feitos campanhas dispendiosas e ineficazes. O tu­cano, que até o último balanço financeiro amarga um déficit de R$ 191 mil nas contas, obteve 13.102 votos ao custo de mais de R$ 205 mil, o que significou ‘desembolsar’ R$ 15,69 por su­frágio conseguido.

O pedetista, contudo, ocupa a lanterna entre os prefeitáveis na relação gasto x desempenho. Seus decepcionantes 18.851 vo­tos ‘saíram’ a mais de R$ 305 mil, ou seja, R$ 16,23 gastos por cada voto obtido. Boa parte des­ses recursos foram empregados com uma massiva propaganda na TV, rádio e carros de som.

A movimentação financei­ra de Carlos Augusto Felipe (PHS) não está disponível no site do TSE.