Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

No primeiro dia da proibição de sacolas, consumidores tentam se adaptar

​Mercados registraram poucas reclamações de clientes sobre nova realidade

27 junho 2019 - 09h38
No primeiro dia da proibição de sacolas, consumidores tentam se adaptar

RODRIGO BRANCO

Ontem marcou o primeiro dia em vigor da proibição de sacolas descartáveis nos supermercados e também o começo de um processo de adaptação e mudança de hábitos para consumidores e estabelecimentos. Apesar disso, segundo a reportagem apurou em algumas lojas de Cabo Frio, o índice de reclamações dos clientes foi considerado baixo. 

De acordo com Carlos Alberto Coelho, gerente de um supermercado que fica na Avenida Teixeira e Souza, no Centro de Cabo Frio, poucos consumidores alegaram o desconhecimento da nova lei ou reclamaram de pagar pelas novas embalagens recicláveis. As duas primeiras sacolas saem de graça, enquanto para as demais é cobrado o preço de custo, no valor de R$ 0,05 (cinco centavos) a unidade.

– Graças a Deus, não tivemos grandes problemas não. Uma coisa ou outra, mas a gente resolveu na mesma hora. A maioria trouxe a sacola de casa. Informamos durante um bom tempo e isso ajudou bastante. A mudança não foi de uma hora para outra – avalia.

Claudete Checluski, 55, parecia incomodada ao sair do estabelecimento. Ela tentava se acostumar com o peso e o volume das compras todas colocadas em uma única bolsa retornável. Sacolas do tipo estão sendo vendidas a preço médio de R$ 15. 

– Antes usava as sacolas plásticas mesmo. Prefiro sacolas menores, esta é muito grande. Mas acho que vai dar certo. As pessoas precisam ter mais consciência – disse ela, lembrando que em São Paulo e Belo Horizonte, a medida já estava em vigor.

Djalma dos Santos, 46, trazia nas mãos as sacolas ecologicamente corretas, mas disse que planeja usar as bolsas retornáveis, também, conhecidas como ‘ecobags’. 

– É melhor trazer de casa. Por R$ 0,10 (dez centavos), a gente leva umas balas para os filhos em casa. Vou comprar (a bolsa retornável), pagar uma vez e não toda vez que eu vier – raciocina.

Sara Nogueira, 30, reclamou da demora no atendimento no caixa por causa da contabilização das sacolas usadas pelos operadores.
– Não estava sabendo que começava hoje (ontem). É bom para a gente, mas atrasa um pouco – disse.

No mercado especializado em hortifrutigranjeiros que fica bem em frente à rodoviária, caixas de papelão estavam sendo oferecidas para os clientes que vinham de carro, caso do empresário Sérgio Santana, 49.

– O mais certo é a sacola retornável. A gente está se acostumando, mas eu acho que a lei é válida – comentou, enquanto guardava as compras no porta-malas do veículo.

Valdir Medeiros, 53, também apoiou a medida, embora tenha derrapado no orçamento na hora de abastecer o carrinho. Ele foi mais um a levar a ‘ecobag’ a tiracolo.

– Se for para melhorar, para mim, está ótimo. Vim comprar um queijo, mas acabei me empolgando e comprando demais (risos) – disse, com bom humor, já deixando o caixa com a sacola cheia.

Nova lei – A proibição do uso de sacolas descartáveis por supermercados e estabelecimentos de grande porte acontece está prevista na lei Nº 8.006/18, do deputado estadual Carlos Minc (PSB). Os estabelecimentos maiores tiveram 12 meses para se adequarem à medida, enquanto para as microempresas e comércios de menor porte, o prazo vai até o próximo dia 26 de dezembro. 

As novas embalagens reutilizáveis ou retornáveis deverão ter resistência de no mínimo 4 (quatro), 7 (sete) ou 10 (dez) quilos e ser feitas com mais de 51% de material proveniente de fontes renováveis e, obrigatoriamente, nas cores verde – para resíduos recicláveis – e cinza – para outros rejeitos, de forma a auxiliar o consumidor na separação dos resíduos e facilitar a identificação para as respectivas coletas de lixo.