Assine Já
domingo, 01 de agosto de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46303 Óbitos: 1873
Confirmados Óbitos
Araruama 11418 357
Armação dos Búzios 5492 58
Arraial do Cabo 1574 87
Cabo Frio 12663 757
Iguaba Grande 4763 115
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Negociação entre governo de Cabo Frio e servidores emperra

Prefeitura alega não ter dinheiro para pagar no prazo legal e acena com novo fracionamento

26 julho 2019 - 08h58
Negociação entre governo de Cabo Frio e servidores emperra

RODRIGO BRANCO

Representantes de sindicatos de servidores públicos municipais saíram desapontados depois de quase três horas de reunião com integrantes do governo, ontem à tarde, na sede da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Ministério Público Estadual. Nem a mediação do promotor de justiça Rafael Dopico da Silva foi capaz de fazer a negociação entre as partes avançar com relação ao pagamento dos salários dentro do prazo legal, isto é, até o quinto dia útil de cada mês. A discussão do assunto dominou a reunião, o que deixou de lado outras pautas, como a reposição das perdas salariais dos últimos ano, que ultrapassam os 20%. Aguardado, o prefeito Adriano Moreno (Rede) não compareceu à audiência, onde foi representado pelo procurador-geral do município, Bruno Aragutti, e pelo tesoureiro da Secretaria de Fazenda e futuro secretário Clésio Guimarães Faria. 

A dupla que falou pelo governo alegou que o pagamento dos salários em dia depende do desbloqueio dos R$ 33 milhões sequestrados pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RJ), a título de precatórios (leia no quadro ao lado). Diante das alegadas dificuldades financeiras, o governo comprometeu-se apenas a antecipar para o fim deste mês a divulgação de um calendário de pagamento fracionado dos salários de julho. O escalonamento salarial tem sido adotado nos últimos meses, fato que culminou, inclusive, com a saída do antigo secretário de Educação Cláudio Leitão e da então secretária-adjunta Denize Alvarenga, no último mês de maio. Segundo Clésio, a atual situação vai perdurar enquanto não houver o desbloqueio.

– Não adianta dizer que vai pagar no quinto dia útil porque não vai ter recurso. Vamos trabalhar com dados factíveis, com que a gente possa honrar. Tudo isso que está acontecendo é consequência desse bloqueio. R3 33 milhões é a folha de um mês. Estamos tendo que esperar o mês entrar para pagar os mês anterior com as receitas obtidas. Quando isso [dinheiro bloqueado] retornar, a gente entra na normalidade e começamos a pagar certinho – disse, na saída da reunião.

O impasse deixou as lideranças sindicais presentes com cara de poucos amigos. Os sindicalistas reclamaram da disparidade entre os dados do Portal da Transparência e os apresentados pelos representantes do governo na reunião. Também foram cobradas informações sobre a entrada de receitas de transferências como ICMS, Fundeb e Fundo Nacional de Saúde. Outro ponto de divergência foi com relação à reposição das aulas por causa da greve e a devolução do desconto salarial feito nos trabalhadores que aderiram à paralisação. De acordo com a coordenadora-geral do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), Cíntia Machado, uma assembleia vai discutir e votar a proposta do governo.

– O que ficou definido é que a gente apresente um cronograma de reposição para que seja feita a devolução [do salário descontado]. Aí a gente tem que discutir na assembleia porque é a categoria que decide – disse Cíntia, lembrando que uma assembleia já decidiu que haverá nova greve se não houver pagamento até o próximo dia 7.

Por sua vez, o representante regional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-RJ) na Saúde, Olney Vianna, disse que a falta de resultado prático da reunião mantém a paralisação de outras categorias, como a Saúde e da Assistência Social.

 

Leia também: 

Royalties em Cabo Frio passam casa dos R$ 100 milhões