Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
semana do meio ambiente

Na Semana do Ambiente, presidente da Fundação de Arraial falou de sustentabilidade

Wanderson Jardim, o Pequeno, foi o convidado do 'Folha ao Vivo'

02 junho 2015 - 09h54
Na Semana do Ambiente, presidente da Fundação de Arraial falou de sustentabilidade

No dia que marcou a abertura da Semana Mundial do Meio Ambiente, o Folha ao Vivo (Rádio Cabo Frio AM 1.530 Khz) mergulhou no tema, de preocupação global, e recebeu o presidente da Fundação Municipal de Meio Ambiente, Pesquisa, Ciência e Tecnologia de Arraial do Cabo, Wanderson Jardim, o Pequeno, no cargo desde janeiro de 2009.

Responsável por elaborar projetos socioambientais para captação de recursos e por coordenar as ações de Educação Ambiental no município, o órgão está às voltas com os últimos preparativos para a implantação do Programa de Coleta Seletiva Solidária, cujo projeto-piloto será na Vila Industrial. No entanto, mais preocupado com a separação do chamado ‘lixo seco’ (material recicláveis como papeis e plásticos) do ‘lixo úmido’ (material orgânico), Pequeno propõe uma reflexão sobre os atuais modelos de consumo, calcados no exagero e no desperdício.

– O importante quando se discute sustentabilidade é pensar o atual modelo, centrado na ideia de consumo desenfreado. Consumir significa ter, que significa mais que o ser. Imagine se todo o mundo começasse a consumir nos padrões norte-americanos, não teria como. Será possível ter desenvolvimento sustentável onde o capital está no centro e a justiça social em segundo plano? É preciso discutir o modelo de consumo e o caminho que se quer seguir – comentou o ambientalista e antropólogo.

Saindo do campo teórico, Pequeno falou da integração da Fundação com outros órgãos municipais como as Secretarias do Ambiente, de Serviços Públicos e de Educação, na construção de uma nova mentalidade para a população. Já na área operacional, ele salientou que o novo Complexo de Reciclagem, originário da antiga usina, inaugurada pelo ex-prefeito Hermes Barcellos em 1990, deve ser funcionar a pleno vapor dentro de 45 dias. Com custo estimado em R$ 1,6 milhão, a obra teve recursos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), por meio de projeto da Fundação submetido a concurso público.

Entretanto, apesar dos avanços, Pequeno admitiu que, por ora, ainda não há uma solução com relação à remediação do lixão, em função do alto volume de investimentos a serem feitos. Ainda assim, o ambientalista frisou a melhoria nas condições de vida, trabalho e renda dos catadores da cooperativa de materiais recicláveis que atua no complexo.

Ele também se mostrou otimista, embora crítico, quanto a uma mudança do atual quadro socioambiental. Para ele, o processo é gradual e, se não resolveria a questão, a melhoraria.

– É possível pensar e fazer diferente. É pelo processo educacional que se vai construir sociedade mais responsável, sustentável e justa – concluiu.