Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
ARTE

Músico, cantor e poeta Azul cria blog e publica textos reflexivos

Primeira postagem do blog foi publicada às 6h desta terça-feira (8)

08 setembro 2020 - 15h06Por Redação
Músico, cantor e poeta Azul cria blog e publica textos reflexivos

Além de músico e cantor, o artista cabo-friense Azul Puro Azul também é poeta. Recentemente, criou um blog com o objetivo de publicar textos que provoquem uma reflexão para os leitores.

A primeira postagem do blog foi publicada às 6h desta terça-feira (8). O texto “Agora quero viver no lugar que um dia morri” já pode ser encontrado no site.

A nova obra faz parte da série de mensagens, que será publicada no blog Fluxo Azul.

- Minha vida (hoje sei) é gerar e parir palavras. Dar origem a sentimentos e sensações através de palavras que irão gerar sentimentos e sensações em outros seres – afirma o poeta.

Às terças, textos concebidos pelo artista cabo-friense serão publicados no blog.

Confira um trecho da primeira publicação do blog:

“Agora quero viver no lugar que um dia eu morri” – “Não se esqueça de se cuidar! Você tem um exemplo ao lado.” – disse antes o repórter.  Apareceu uma imagem de uma praia linda e o homem/entrevistado da matéria falou “Agora quero viver no lugar que um dia eu morri”. A voz do homem ao fundo, a praia… Finalizava a matéria (que só lembro o final). Eu pensei: Ele deve ter invertido. Deve ter pensado que quer morrer no lugar (cidade) onde viveu/nasceu/sei lá. “Agora eu quero morrer onde eu nasci”? Acordei. Pensava na frase; e que no sonho eu vi/ouvi/vi a matéria em um livro e não em uma televisão.

Acordando ainda eu pensava: “Agora quero viver no lugar que um dia eu morri…” – “Eu agora quero viver no lugar que um dia eu morri!!!” – ENTENDI!!!! Quantas vezes morri na minha vida? Vivendo com de medo da “morte” (aquela com caixão, velório, enterro…) , sem tomar consciência que morro incontáveis vezes na mesma vida. Por vezes, morro tantas vezes em um mesmo dia como em loops de repetição. Morro – e morro – e morro – e morro – e morro… O processo vira tão automático que nem percebo! Só morro. E claro, sinto as dores e o cansaço das mortes!  

 

 

 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.