Assine Já
quarta, 27 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22908 Óbitos: 767
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2989 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6139 264
Iguaba Grande 2043 50
São Pedro da Aldeia 3225 107
Saquarema 2294 117
Últimas notícias sobre a COVID-19
"ACALANTO PARA O CORAÇÃO"

Músico cabofriense participa de projeto que leva música a vizinhos durante a quarentena

Vídeo mostra saxofonista flautista Rodrigo Revelles tocando clássico de Jacob do Bandolim em seu apartamento, no Rio

04 abril 2020 - 18h11Por Rodrigo Branco

Notas e harmonias enfileiradas quebram a monotonia da quarentena em Copacabana, bairro carioca conhecido como Princesinha do Mar e considerado o berço da bossa nova. A execução precisa do choro ‘Receita de Samba’, de Jacob do Bandolim tem um toque cabofriense, na interpretação do músico Rodrigo Revelles.

A breve apresentação nesta sexta-feira (3), que teve como público os vizinhos de prédio, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, fez parte de uma iniciativa chamada ‘Choro na Janela’, idealizada pelo trompetista Silvério Pontes, a partir do projeto mensal ‘Choro na Rua’, momentaneamente paralisado em função das medidas de isolamento social impostas pela epidemia de novo coronavírus. Todos os dias, durante o período de quarentena, Pontes chama músicos convidados para uma participação gravada.

Um vídeo com a apresentação de Revelles para a vizinhança circula pelas redes sociais neste sábado (4), com centenas de curtidas, comentários e compartilhamentos. O músico falou para a Folha sobre o que o gesto significa em um momento de reclusão forçada da população.

– A arte nesse momento é um acalanto para o coração. É como se fosse uma forma da pessoa se emocionar, sair desse marasmo de tanto coisa negativa que a gente vê passando na TV o tempo inteiro. Acho que boa parte da Humanidade nunca havia presenciado uma situação dessas, de uma coisinha mexer com o mundo inteiro. A música vem para dar esse conforto para trazer um pouco de alegria para o coração das pessoas – analisa.

A inusitada plateia que assistiu ao ‘pocket show’ de janelas e sacadas concordou com a avaliação do saxofonista flautista. O alívio momentâneo ajudou a aquecer a alma e a aproximar o que a doença forçosamente afastou. Revelles, que mora há 12 anos na capital, para onde foi para estudar, diz que tem aproveitado a pausa na carreira para evoluir profissionalmente.

Uma parte do dia é dedicada para caminhar no calçadão da praia [a orla está liberada], com as devidas precauções, enquanto boa parte do tempo tem sido usada para praticar e aprender, exercício de disciplina e humildade para um profissional que toca com nomes como Pepeu Gomes, Dudu Nobre e Alcione.

– Tenho estudado bastante. Há muito tempo não dava esse upgrade de estudo na minha profissão. Estou revendo e organizando muitas coisas. Colocando a casa em ordem, fazendo as coisas que eu queria fazer, mas que nunca tinha tempo. Os trabalhos vinham pintando e acabava estudando pouco – observa.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.