Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
enterro

Multidão lota o Santa Izabel para se despedir de Boca

Subtenente dos Bombeiros morreu afogado no último domingo (3)

05 abril 2016 - 10h41
Multidão lota o Santa Izabel para se despedir de Boca

Amigos, familiares e colegas de corporação prestaram a última homenagem a Boca (Foto: Gabriel Tinoco)

No momento em que as sirenes dos carros romperam o silêncio e soaram o adeus de Márcio Alves Pimentel, o som se confundiu com os aplausos de dezenas de familiares, amigos e colegas de corporação. Todos, em uníssono, anunciavam o tradicional grito de guerra do bombeiro: are! O salva-vidas foi enterrado na tarde de ontem, no Cemitério Santa Izabel, no Portinho, em Cabo Frio. A razão da morte ainda não foi revelada. Sabe-se apenas que o subtenente não se afogou, porque os médicos não encontraram água no pulmão.

Momentos antes do sepultamento, a música fúnebre consolava o choro incontido de alguns e o sorriso nostálgico de quem teve o prazer de conviver com Márcio. Em seguida, um bombeiro disse “o mar nunca vai ser o mesmo”, enquanto outro retrucou “vai ser sim, porque ele vai estar lá, pegando altas ondas”. A conversa era encerrada diante do enterro do caixão, que levava consigo um boné e uma bandeira da corporação.

– Ele era um exemplo. Era um profissional exemplar e prestativo. Por isso, terá homenagem. A última operação que participou foi na virada de um barco em Arraial do Cabo, onde ele ajudou a localizar. Foi um cara que conheceu todo mundo – comentou o comandante do 18° Grupamento Bombeiro Militar, Leonardo Couri.

Enquanto era consolado por abraços calorosos, a filha de Márcio, Beatriz Barroso, lembra qual era a maior alegria do pai.

– Desde pequeno, ele auxiliava muito a gente (ela e a irmã), sempre de alguma forma. A única cois que ele queria era nos ver feliz. Ele fez do trabalho o maior lazer – relembra.

A filha Marina Alves sente saudades das motivações do pai.

– Ele era um incentivador de pessoas. Essa era a principal qualidade dele.

O vereador Adriano Moreno esteve presente no enterro para prestar homenagem ao vizinho.

– Éramos vizinhos. Conhecia o Márcio desde a infância. A morte dele me traz uma reflexão que o poder não leva a nada. Era uma pessoa simples demais. E olha só: a multidão de pessoas que estão aqui – refletiu.