Assine Já
domingo, 17 de outubro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Mulheres protestam em Cabo Frio contra abusos

Mobilização acontece nesta quarta (13), a partir das 15h, na Praça Porto Rocha

13 março 2019 - 09h48Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
Mulheres protestam em Cabo Frio contra abusos

Um grito de basta contra o machismo e os abusos sofridos pelas mulheres na sociedade é o que irá acontecer hoje, a partir das 15h, na Praça Porto Rocha, em Cabo Frio. O ato ‘Mulheres na Luta’ foi convocado pelas redes sociais e é organizado de forma independente por estudantes das redes pública e particular, mas já ganhou a adesão de coletivos e movimentos feministas da região. Durante o manifesto, será feito um ato em memória da vereadora Marielle Franco (PSOL), cujo assassinato completa um ano amanhã. 

“Esse protesto é um grito de socorro, de muitas mulheres, meninas e crianças, que são vítimas do estupro, de abuso mental, abuso físico. E estamos cansadas do desrespeito com as nossas! e principalmente pelo fato de que nos últimos dias, estamos recebendo denúncias de relatos abusivos aqui na Região dos Lagos, com meninas, mulheres, adolescentes, que foram caladas por tanto tempo, e que agora estão ganhando voz. E essa luta é no intuito de dizer que nós não temos medo, e não iremos nos calar, vamos resistir e lutar!!! Por que nós somos mulheres na luta!!!”, diz a convocação, pelo Facebook, para a manifestação.

A mensagem faz menção a um perfil recém-criado no Twitter, que conta com inúmeros relatos de abusos e agressões feitos por mulheres da região. As denúncias são feitas de forma anônima pelas vítimas, principalmente contra homens de Cabo Frio, São Pedro da Aldeia e Arraial do Cabo.

A titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), Juliana Rattes, disse que instaurou um inquérito para apurar os abusos relatados na internet, mas adverte que as denúncias devem ser formalizadas na unidade policial.

– É fundamental. Faço apelo que venham até a delegacia. A Deam está aguardando que elas compareçam, vamos manter o sigilo, as vítimas não serão expostas. É possível apurar um crime após passar um tempo. É possível. A gente não tem como apurar, chegar ao autor, se não tiver um relato individualizado das vítimas. A denúncia pelo Twitter é para a sociedade, mas para fins policiais, preciso que elas se identifiquem – explica a delegada.