Assine Já
segunda, 18 de outubro de 2021
Região dos Lagos
21ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
amarildo

Mulher de Amarildo é encontrada em Cabo frio depois de ficar dez dias desaparecida

Segundo a família, Elizabeth Gomes havia desaparecido no dia 30 de junho, quando saiu de casa e não voltou mais

11 julho 2014 - 16h56

Encontrada em Cabo Frio, após desaparecer por 10 dias, a viúva de Amarildo de Souza, ajudante de pedreiro morto por policiais da UPP da Rocinha em 2013, deverá voltar ao Rio no próximo domingo (13). Segundo o advogado da família, João Tancredo, Elizabeth Gomes da Silva deve ir a Macaé, onde moram duas filhas, de um relacionamento anterior, nesta sexta-feira (11). A viúva deverá ficar na casa de uma delas até voltar ao Rio.

Horas antes de Elizabeth ser encontrada na cidade, a Polícia Civil do Rio havia aberto inquérito sobre o desaparecimento dela, após familiares registrarem o sumiço na delegacia. Segundo parentes, Elizabeth Gomes da Silva vinha apresentando sintomas de depressão nos últimos meses.

“De um tempo para cá, ela vinha falando muito do meu tio [Amarildo]. Voltou a beber e a usar drogas”, afirmou a sobrinha Michele Lacerda, de 27 anos.

Sumiço de Amarildo
Amarildo sumiu após ser retirado de casa e levado à sede da UPP da Rocinha por PMs da unidade. Ao todo, 25 policiais são acusados pelos crimes de tortura, ocultação de cadáver, fraude processual e formação de quadrilha. Entre eles, 12 estão presos e 13 respondem ao processo em liberdade.

Em razão do que aconteceu com o ajudante de pedreiro, até esta quinta-feira, a família havia optado por não registrar o desaparecimento de Beth na delegacia. “A polícia poderia ajudar ou não. Somos uma família marcada. Preferimos não arriscar”, afirmou Michele, destacando que preferiu recorrer a entidades que a ajudaram a organizar protestos após o desaparecimento de Amarildo no ano passado.

Após a divulgação do caso pela imprensa, a Polícia Civil começou a fazer buscas, mesmo sem haver registro formal na delegacia. "Tivemos conhecimento do desaparecimento através da imprensa hoje. Começamos a fazer diligências assim que soubemos. Entramos em contato com a família e nos informaram que ela saiu de casa por livre e espontânea vontade, após discutir com um dos filhos", afirmou o delegado Gabriel Ferrando, titular da 11ª Delegacia de Polícia, na Rocinha. O delegado disse ainda que chamará a família para prestar depoimento.

Segundo a família, Beth havia desaparecido no dia 30 de junho, quando saiu de casa e não voltou mais. Beth tem oito filhos, sendo seis deles com o ajudante de pedreiro Amarildo. Dos oito, três ainda são menores de idade.

Fonte: Portal G1