Assine Já
quarta, 27 de outubro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MPF

MPF exige demolição imediata de quiosques da Praia do Forno

Procuradoria da República pede que Justiça estipule multa pessoal ao prefeito por decisão judicial não cumprida

08 outubro 2019 - 19h46Por Redação I Foto: Divulgação MPF
MPF exige demolição imediata de quiosques da Praia do Forno

O Ministério Público Federal (MPF) em São Pedro da Aldeia exige a demolição imediata dos quiosques da Praia do Forno, em Arraial do Cabo, sob pena de imposição de multa pessoal para o prefeito Renatinho Vianna (PRB). 

Segundo o procurador da República Leandro Mitidieri Figueiredo, o município descumpre decisão da Justiça Federal de novembro de 2016, que exige a retirada das construções, que ficam em área de vegetação nativa. À época, chegou a ser estabelecida multa pessoal diária  de R$ 5 mil para o então prefeito interino Luciano Tequinho e ao secretário de Meio Ambiente.

O procurador da República considera o descumprimento da decisão, quase três anos depois da sentença, uma ‘afronta’ e disse que estão novas supressões da vegetação de restinga, na Praia do Forno. O pedido de multa junto à Justiça Federal foi feito com fotos em anexo, que comprovam que os quiosques permanecem no local.

– Já existe decisão judicial e o município está protelando. Despachei agora com o juiz para imposição de multa pessoal ao prefeito – disse o procurador da República.

A Prefeitura de Arraial do Cabo informa que já foi notificada do assunto, mas que ainda vai se pronunciar oficialmente.
A determinação de que quatro quiosques da Praia do Forno devem ser retirados partiu da 5ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), atendendo a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal contra o município de Arraial do Cabo e os donos dos quiosques.

A alegação é que as construções estão em terreno de Marinha e em área de preservação permanente. A Justiça baseou-se, entre outros documentos, em um laudo do Ibama, que atestou que “o comércio funcionava em área nativa de restinga sem licença para o exercício da atividade no local, havendo dano ambiental flagrante, decorrente da construção ilegal dos quiosques”.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.