Assine Já
segunda, 02 de agosto de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46523 Óbitos: 1889
Confirmados Óbitos
Araruama 11454 362
Armação dos Búzios 5517 58
Arraial do Cabo 1588 87
Cabo Frio 12706 765
Iguaba Grande 4804 116
São Pedro da Aldeia 6205 275
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

MPF denuncia Prolagos por crime ambiental na Lagoa de Juturnaíba

Procuradoria alega que despejo de alumínio foi acima do permitido; empresa diz que não foi notificada

01 outubro 2019 - 20h34
MPF denuncia Prolagos por crime ambiental na Lagoa de Juturnaíba

O Ministério Público Federal (MPF) em São Pedro da Aldeia denunciou a Prolagos, seu diretor-presidente Sérgio Antônio Rodrigues da Silva Braga e o então diretor executivo Marcos Valério de Araújo por crime ambiental. De acordo com o MPF, a empresa infringiu o artigo 40 da Lei de Crimes Ambientais, por despejar quantidades de alumínio acima do limite legalmente permitido na Lagoa de Juturnaíba, entre fevereiro do ano passado e deste ano. Além da condenação das partes, foi pedida indenização de R$ 6 milhões por danos coletivos. A empresa, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que ainda não foi notificada.

A Procuradoria da República sustenta que a concessionária de água e esgoto fez o despejo na unidade de conservação por meio da Estação de Tratamento de Águas (ETA), o que teria provocado dano direto ao meio ambiente e à Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São João. A situação, aponta o MPF, pode provocar problemas na saúde humana e a mortandade de animais.

 – A questão chegou ao conhecimento do MPF quando da vistoria da Barragem de Juturnaíba, em 14 de fevereiro de 2019. Na ocasião, fomos até o local fiscalizado pelo ICMBio e objeto de várias denúncias de pescadores locais. Foi possível visualizar as tubulações oriundas da ETA, que não constava no projeto de licença ambiental – comentou o procurador da República Leandro Mitidieri.

Segundo a denúncia, a infração ocorreu na Zona de Proteção do Reservatório de Juturnaíba (ZPRJ), no interior da Área de Proteção Ambiental (APA) da Bacia do Rio São João/Mico Leão Dourado, “prejudicando os objetivos atrelados a essa área: proteger a vida aquática e a fauna associada, especializada ou não; proteger a vegetação aquática associada; proteger os criadouros (berçários); garantir a qualidade do recurso hídrico para abastecimento de água; proporcionar condições sustentáveis para o desenvolvimento da pesca artesanal profissional, amadora e da atividade de aquicultura; proporcionar condições sustentáveis para atividades turísticas de lazer e recreação”.

Entre os efeitos causados pelo despejo irregular do metal na água é o acúmulo da substância  em sedimento e em organismos aquáticos; problemas ósseos, anemia e doenças neurodegenerativas em humanos; distúrbios nervosos; natatórios, respiratórios, osmorregulatórios, endócrinos, hematológicos e cardíacos em peixe e morte de peixes por sufocação.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.