Assine Já
quinta, 13 de maio de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 37918 Óbitos: 1447
Confirmados Óbitos
Araruama 9612 300
Armação dos Búzios 4692 57
Arraial do Cabo 1317 69
Cabo Frio 10088 529
Iguaba Grande 3759 93
São Pedro da Aldeia 5248 224
Saquarema 3202 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

MPF cobra Inea detalhes do licenciamento ambiental da Fazenda Marinha no Peró

Instituto afirma que não é necessária audiência pública para este tipo de empreendimento

03 maio 2019 - 12h35
MPF cobra Inea detalhes do licenciamento ambiental da Fazenda Marinha no Peró

A Procuradoria da República do Ministério Público Federal (MPF), em São Pedro, enviou ofício ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para saber detalhes sobre o processo de licenciamento do projeto de maricultura no Peró.

No documento, o procurador da República Leandro Mitidieri Figueiredo dá um prazo de 20 dias para o órgão ambiental estadual informar se o Ibama e o ICMBio (responsável pela reserva extrativista marinha de Arraial do Cabo) foram ouvidos durante o processo de licenciamento do campo de maricultura. O MPF também quer saber se foi realizada audiência pública com os interessados para esclarecimento sobre possíveis danos ambientais causados pela atividade.

Entretanto, o Inea informou que o projeto está licenciado e que não há necessidade de consulta popular para a sua instalação. 

“O Instituto Estadual do Ambiente (INEA) informa que emitiu a licença ambiental para a instalação de atividade de maricultura na Praia do Peró, em Cabo Frio, na Região dos Lagos. A fazenda de maricultura  ficará  a uma distância mínima 1.882 metros da costa e será instalada de forma escalonada, ao longo de quatro anos.  Para este tipo de empreendimento, não é necessária a realização de audiência pública”.

Segundo a comunidade local, os riscos do negócio ainda são um mistério. Entre as preocupações de moradores e ambientalistas estão o impacto do empreendimento de 7,2 quilômetros de extensão no mar e nas vias de acesso à praia. A falta de informações sobre a instalação de galpões para armazenagem e processamento dos mariscos e os riscos à navegação também motivam questionamentos. 

– Um risco que eu gostaria de saber é quanto às vieiras, que é uma espécie exótica.  Então é preciso saber se elas não poderiam, acidentalmente, se espalhar por áreas fora da maricultura e causar algum problema ambiental, competindo com espécies nativas. Creio que não porque elas são cultivadas em outros lugares e não conheço relatos de tal ocorrência. Mas como não há divulgação de informações, a gente fica meio no escuro – disse o biólogo Octávio Menezes, do movimento Amigos do Peró.

*Foto: Ernesto Gallioto