Assine Já
sexta, 04 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
23ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12983 Óbitos: 554
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1460 21
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 1997 79
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
MP

​MP vai ouvir empresários do Lanche do Operário

Empresas A.S. Vieira Santos Buffet ME e A. Martins de Oliveira Bar e Restaurantes serão ouvidas

18 outubro 2015 - 10h03
​MP vai ouvir empresários do Lanche do Operário

Nicia Carvalho

A afirmação sobre a instauração do inquérito que apura denúncias de irregularidades no Lanche do Operário é de Marcela do Amaral, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva, sediada em Cabo Frio, e com atuação ainda em Armação dos Búzios e Arraial do Cabo. Nos dias 27 e 29 deste mês, as empresas A.S. Vieira Santos Buffet ME e A. Martins de Oliveira Bar e Restaurantes, que participaram da licitação, serão ouvidas pelo Ministério Público.

Nesta entrevista, ela explica sobre a ação civil pública da contratação temporária em Cabo Frio; o inquérito civil do pregão da saúde; atuação dos Conselhos Municipais; a empresa Córrego Rico, além de denúncias diversas como do Centro Educacional Marli Capp. Atualmente, o MP tem 345 Inquéritos Civis (IC) em tramitação, dos quais 198 de Cabo Frio, 87 de Búzios e 60 de Arraial. A maior parte dos IC’s cabofrienses, cerca de 90%, são contra a Prefeitura de Cabo Frio. 

Folha dos Lagos: Como está a apuração das denúncias de irregularidades na licitação do Lanche do Operário?

Marcela do Amaral: O inquérito também foi instaurado e solicitamos à Prefeitura o inteiro teor dos procedimentos administrativos para estudar tudo que aconteceu. Vamos até o TCE (Tribunal de Contas do Estado) para saber se esses documentos já foram analisados. Queremos ouvir as empresas, tentar identificar o conluio para tentar identificar provas que indiquem se houve atos de improbidade e se a licitação tem que ser anulada. A lei de ação civil pública oferece 10 dias de prazo, mas em geral eu dou 20 porque a gente sabe das dificuldades operacionais do município. Para abrir o inquérito bastam indícios, mas para abrir uma ação civil pública precisamos de algo mais robusto, não basta ter o mesmo endereço para afirmar que houve uma fraude à licitação.

Folha: E em relação as contratações temporárias?

Marcela: Esse ano nossa grande expectativa é em relação a ação civil pública que foi proposta em relação as contratações temporárias. A gente está aguardando até o dia 31 de dezembro já que a liminar que determina que o município faça processo seletivo simplificado para contratar, se houver necessidade, para o próximo ano e mesmo assim tem que justificar as contratações, ainda está em plena validade. Aguardamos os documentos da Prefeitura informando quantos são os contratados, efetivos, comissionados. Isso é muito importante para o MP porque saneia essa questão das contratações temporárias feitas sem critério, objetivo algum, se almeja de forma indireta, me lhora no serviço. O efetivo tem que trabalhar, ser cobrado, ter corregedoria forte por mais impopular que sejam suas medidas. Isso preocupa muito o município, quer dizer o MP, até porque 2016 é ano eleitoral e estaremos atentos se essa brecha constitucional está sendo mau utilizada, principalmente para captar voto.

*Leia entrevista completa na edição deste sábado da Folha dos Lagos.