Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MEIO AMBIENTE

MP pede retirada cerca de 60 casas construídas irregularmente na APA de Massambaba, em Arraial

Órgão entrou com ação civil pública para que imóveis sejam retirados da área em um prazo de 180 dias

10 setembro 2021 - 10h35Por Redação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Cabo Frio, ajuizou ação civil pública para que sejam desocupadas, em um prazo de 180 dias, cerca de 60 casas construídas irregularmente na Zona de Conservação da Vida Silvestre da Área de Proteção Ambiental (APA) de Massambaba, em Arraial do Cabo.

Os imóveis estão localizados a oeste da Rua Olivia Coelho Vidal, no distrito de Caiçara. A ACP pede que, após a desocupação pelos moradores, as residências sejam demolidas pelo Estado do Rio, pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e pelo município, que também ficarão responsáveis pela retirada dos entulhos e recuperação da área degradada.  

A investigação sobre a ocupação ilegal teve início em 2017, quando foi instaurado o inquérito civil 29/2017, criado para apurar denúncias de que a área em questão estava sendo objeto de invasão, desmatamento e abertura de ruas, possivelmente para implantação de loteamento irregular. Durante a tramitação do inquérito, inúmeras ações fiscalizatórias foram realizadas na localidade, afastando qualquer alegação de boa-fé por parte dos invasores, que possuíam ciência de que se tratava de área de proteção ambiental e, portanto, não suscetível à edificação de residências.

A 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Cabo Frio também recebeu inúmeras denúncias relatando que a invasão foi resultado de ações orquestradas por pessoas associadas, especificamente, para o cometimento de crimes ambientais e urbanísticos. Além disso, em inúmeras oportunidades os órgãos fiscalizatórios encontraram no local vestígios de desmatamento e incêndios criminosos, chegando a receber ameaças dos invasores e seus cúmplices, tendo sido recebidos a tiros em uma ocasião.

O território ocupado pelos invasores constitui área de restinga aberta arbustiva e mata alta de restinga, responsável por abrigar importantes espécies da flora e da fauna, dentre elas algumas endêmicas e ameaçadas de extinção. A vegetação deste fragmento possui a importante função de fixar os sedimentos das pequenas dunas que alimentam a duna do morro do Caixão.  

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.