Assine Já
terça, 27 de julho de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
OPERAÇÃO POSEIDON

MP e Polícia Civil prendem quadrilha que vendia animais marinhos em Cabo Frio

Espécies ilegalmente comercializada pelos criminosos estão em risco de extinção

07 outubro 2020 - 17h36Por Redação

A Promotoria de Justiça de Cabo Frio, do Ministério Público Estadual (MP-RJ), em parceria com a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Roubo de Cargas, e com apoio das Delegacias de Meio Ambiente e da 126º DP (Cabo Frio), deflagraram, na manhã desta quarta-feira (7) a operação Poseidon para o cumprimento de seis mandados de busca e apreensão na capital do Rio e em cidades da Região dos Lagos.

Até o momento, houve a prisão de duas pessoas e mais de 100 animais foram apreendidos, dentre eles, tubarões, arraias, cavalos marinhos, e diversos tipos de corais. A operação é fruto de uma investigação de três meses, que esteve a cargo da Promotoria de Investigação Penal de Cabo Frio, sobre quadrilha que coleta, armazena e vende animais marinhos em risco de extinção.

Os animais da fauna brasileira são ilegalmente coletados na cidade de Marataízes, no litoral do Espírito Santo, e de lá são transportados para os municípios de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos, onde ficam em depósito para, então, serem vendidos a lojistas de São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, além da capital fluminense.

Dois homens (pai e filho), um deles preso na operação, são apontados como operadores do esquema criminoso que conta com pescadores e revendedores dos animais, além de proprietários de loja física para venda de animais marinhos em Cabo Frio (Centropyge), localizada a 50 metros da antiga loja da família 'Mundo dos Peixes', nome fantasia da Vida Aquática Agropecuária Eireli, fechada após autuação do Ibama. Também foi preso o gerente da Centropyge. Os outros denunciados são apontados como revendedores dos animais.

A investigação detectou que o grupo extraiu diversos tipos de peixes e invertebrados marinhos dos recifes de corais, como tubarões, arraias, cavalos-marinhos, estrelas-do-mar e diversos tipos de corais ameaçados de extinção, e cuja a coleta se encontra proibida por não serem recursos pesqueiros. Além do dano ambiental causada ao meio ambiente, outro problema é que, uma vez retirados de seu habitat e misturados a outros animais exóticos durante o armazenamento, os peixes e corais não podem mais retornar ao local de origem por conta de risco biológico ao bioma marinho.

A investigação será finalizada após a análise do material arrecadado. Os animais apreendidos na operação serão depositados sob os cuidados do AquaRio, onde, após passarem por quarentena, serão expostos ao público com o compromisso de estarem servindo de conscientização e educação ambiental.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.