Assine Já
sábado, 08 de maio de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
20ºmin
Tropical
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 37344 Óbitos: 1418
Confirmados Óbitos
Araruama 9540 293
Armação dos Búzios 4603 57
Arraial do Cabo 1313 69
Cabo Frio 9865 521
Iguaba Grande 3733 92
São Pedro da Aldeia 5088 214
Saquarema 3202 172
Últimas notícias sobre a COVID-19
MP

MP ajuíza ação para cobrar repasses da Prefeitura para Educação em Cabo Frio

Foi pedido à Justiça o cumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta firmado em setembro de 2018

04 setembro 2019 - 14h28Por Redação I Foto: Reprodução
MP ajuíza ação para cobrar repasses da Prefeitura para Educação em Cabo Frio

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) divulgou nesta quarta-feira (4) que entrou com ação na 2ª Vara de Cabo Frio para cobrar o cumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado em setembro do ano passado, já na atual gestão Adriano Moreno (DEM), no qual ficou estabelecida a compensação dos repasses que não foram feitos no ano de 2016, ainda na última gestão do ex-prefeito Alair Corrêa. A ação foi ajuizada pelo Grupo de Atuação Especializada em Educação (Gaeduc/MPRJ) na última quarta-feira (28).

Segundo o MP, no Termo de Ajustamento de Conduta, a Prefeitura de Cabo Frio assumiu vários compromissos, entre eles regularizar os repasses e criar contas específicas para a gestão dos recursos vinculados ao setor, para garantir sua regular e mensal aplicação, conforme previsto na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases. A legislação exige o repasse mensal do percentual mínimo de 25% da arrecadação de impostos para a Educação.

O descumprimento do TAC e o desvio de finalidade dos recursos foram denunciados ao MP e a outros órgãos pelo ex-secretário municipal de Educação Cláudio Leitão, que saiu do cargo em maio deste ano, por não concordar com o fracionamento dos salários dos profissionais de ensino. Segundo Leitão declarou à época, a falta dos repasses regulares gerou inúmeras dificuldades na gestão da pasta, dentre elas o atraso no pagamento de professores e no fornecimento da merenda escolar.

O MP pediu à Justiça a aplicação de multa diária e pessoal de R$ 1 mil ao prefeito Adriano Moreno e aos titulares da pasta da Educação e da Fazenda, em caso de descumprimento de eventual decisão judicial.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura para pedir um posicionamento, depois do qual esta matéria será atualizada.