Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
caso kayky

Motorista é indiciada por homicídio culposo

Pena, que conta com dois agravantes, pode chegar a oito anos

26 junho 2015 - 08h52

NICIA CARVALHO

Após um mês do atropelamento do menino Kayquy Lopes Guimarães Azevedo, de apenas sete anos, a Polícia Civil encerrou o caso com indiciamento de Roberta Pallotino Lopes Cerqueira, de 32 anos, por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, que tem pena de dois a quatros anos. A pena, que teve dois agravamentos, sendo por omissão de socorro e falta de Carteira de Habilitação, pode ser aumentada de um terço a metade em cada situação, totalizando até oito anos. O crime aconteceu no fim da tarde do dia 25 de maio, quando a criança saía da escola, no Parque Burle, em Cabo Frio.
De acordo com a delegada titular da 126º DP de Cabo Frio, Flávia Monteiro de Barros, apesar de os depoimentos das testemunhas ouvidas no processo indicarem que Roberta esboçou parar o carro para prestar socorro, mas que não o fez por receio de ser agredida, o agravamento da pena incide no caso, conforme prevê o artigo 302 do Código de Trânsito Brasileiro.


– Ela disse em depoimento que tentou parar, mas que ficou com medo. Contudo, o fato é que ela não prestou socorro. A motorista poderia ter parado mais adiante e procurado auxílio de alguma autoridade, como diz a lei. Essa atitude não caracterizaria o agravamento – explicou.


Com o encerramento do inquérito, o caso segue para o Ministério Público e depois para o judiciário. A delegada explicou ainda que, além das testemunhas ouvidas, que disseram que o menino morreu no local, imagens de câmeras de segurança de comércios e residências no local foram utilizadas na investigação. Por ocasião do acidente, um tio do menino acompanhava a criança na saída da escola.
No dia seguinte ao crime, Roberta se apresentou à delegacia e assumiu não possuir Carteira de habilitação. Em depoimento, Roberta afirmou que na hora do acidente estava sozinha no carro, um Mitsubishi ASX branco.

Avó lamenta falta de socorro e vai à Justiça
A avó do menino Kayquy, Martiliana Lopes Guimarães, de 62 anos, voltou a dizer ontem que lamentava falta de prestação de socorro por parte da motorista e afirmou que vai à justiça para pedir indenização pela morte da criança. Em entrevista exclusiva à Folha, uma semana após o acidente, ela havia afirmado que não entendia a fuga de Roberta, mas que a perdoava.


– Já conversei com uma advogada e vamos entrar na justiça pela indenização. Sei que não vai trazer meu neto de volta. Nada vai – lamentou ontem, emocionada ao ver na TV o resultado do inquérito policial.

*Matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos desta sexta. 

Saiba Mais:

Mulher que atropelou Kayky se entrega na DP

Mulher que atropelou Kayky não tinha carteia de habilitação

"Não entendei porque ela fugiu", lamenta avó de Kayky