Assine Já
sábado, 24 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Morte do soldado Valério é investigada pela Delegacia de Roubos e Furtos do Rio

Polícia instaura inquérito para apurar roubo seguido de morte

05 julho 2014 - 19h28Por Nicia Carvalho

A investigação sobre a morte do soldado Valério, que sofreu emboscada na tarde de quinta-feira (3)na Via Lagos, sentido Rio de Janeiro, na altura do km 55, está a cargo da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), do Rio de Janeiro. A DRF instaurou inquérito policial para apurar o crime de latrocínio, roubo seguido de morte. Segundo a Polícia Civil as diligências estão em andamento, mas o caso está sob sigilo para não atrapalhar as investigações.

 O soldado eum subtenente reformado faziam o transporte de R$ 6 milhões para a empresa de valores Expert, para a qual Valério trabalhava. O subtenente, que não teve a identificação divulgada pela polícia, conseguiu fugir pelo matagal. Os dois estavam num Toyota Corolla (LUB 2936) e  foram interceptados por homens que estavam em dois carros: um Fox branco (LLR 4113), com placa de Macaé, e uma Hilux preta. Durante a ação, o Fox provocou batida no Toyota. Os criminosos conseguiram fugir na Hilux, mas levaram apenas parte da quantia. 

O soldado Valério abriu o vidro para trocar tiros, mas o veículo rodou na pista e parou no mato. O subtenente, identificado apenas como Ramalho, conseguiu fugir no momento da ação e passa bem. Um carro forte teve que ir ao local para pegar o dinheiro, que estava dentro de malotes.

O enterro de Valério, na manhã de sexta-feira (4) no cemitério Santa Izabel, em Cabo Frio, foi cercado de muita emoção pelos policiais, amigos e parentes da vítima. Durante o sepultamento, o subtenente Mauro Bernardo, líder do Grupamento de Ações Táticas (GAT), ao qual Valério pertencia, disse que o soldado era trabalhador e que o conhecia desde garoto.

-  Não existe superhomem dentro da Polícia Civil, da PM e dos Bombeiros. Ele morreu honestamente trabalhando para ajudar a família. Deixa a gente muito triste. Trabalhava conosco na guarnição há pouco tempo. Participou das duas últimas ações do GAT: uma apreensão de drogas e a prisão de um assaltante às Casas Bahia. Ele que capturou o assaltante - disse.

Bernardo, como é conhecido o líde do GAT, disse ainda que trabalhou com Valério na noite anterior a do crime.

- Trabalhamos à noite, e agora vem essa notícia - lamentou.