Assine Já
segunda, 19 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9111 Óbitos: 463
Confirmados Óbitos
Araruama 1843 108
Armação dos Búzios 570 10
Arraial do Cabo 273 15
Cabo Frio 2965 162
Iguaba Grande 802 38
São Pedro da Aldeia 1420 60
Saquarema 1238 70
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial do Cabo

Morosidade nas obras da Prainha, em Arraial do Cabo, irrita os cabistas

Quiosqueiros e moradores reclamam das atividades emperradas

03 dezembro 2015 - 09h45

Após a demora para sair do papel, a novela da revitalização da Orla da Prainha entra em outro capítulo. Moradores re­clamam que as obras, custeadas pelo Governo do Estado, estão emperradas num dos principais pontos turísticos do município. O abandono da praia também preocupa quiosqueiros e comer­ciantes devido ao movimento durante a alta temporada.

– Estamos preocupados com o verão. Não há nenhum ba­nheiro na praia. Os turistas re­clamam da estrutura e a praia está suja, totalmente abandona­da. Atualmente, a estrutura dos quiosques é uma barraca 2x2 no calçadão. Muitos quiosqueiros fizeram a cozinha nesse espaço. É uma estrutura cedida no ano passado, que está acabada por conta da maresia – comentou um quiosqueiro que preferiu não se identificar.

A jornalista Maria Antônia Casarões, 21, sente até medo do resultado da revitalização.

– Sei que eles colocaram umas barracas como quiosques para ‘quebrar um galho’. Mas os quiosqueiros reclamam da falta de estrutura e da higiene. A praia, assim como a cidade inteira, é mal cuidada. A fiscali­zação é falha, o estacionamento também. E tenho muito medo dessa obra, porque a da Praia dos Anjos ficou mal estruturada, cheia de defeitos – critica.

A estudante Christal Car­valho pesca constantemente na praia e se depara com uma grande quantidade de entulho despejados na areia.

– Frequento a Prainha mais para pescar nas pedras, mas está demorando muito mesmo. Nas vezes em que fui lá, o problema era a questão do entulho, por causa de material depredado e não acabado. Não sei dizer se está prejudicando o meio-am­biente, mas é desagradável.

– A obra estava prevista para acabar em dezembro. Ou seja, bem no momento em que de­veria estar acabando, numa época de veraneio, a obra co­meça. Vai ser horrível quando os turistas chegarem para fre­quentar a praia e a obra estiver acontecendo. Já imaginou o tumulto? A obra só começou no canto esquerdo de quem chega. O canto direito conti­nua improvisado com barracas. Uma nojeira pior do que era antes... Há moscas de dias e ra­tos à noite. Moro dez anos em Arraial e só fui na Prainha três vezes – lamenta.

A Folha tentou entrar em contato com a Prefeitura e com o governo do estado para obter esclarecimentos sobre o atraso, mas sem sucesso.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (3)