Assine Já
domingo, 20 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
moradores

Moradores querem mais policiais pelas ruas

Entrevistados acreditam que maior número de rondas e aumento no efetivo melhorarão segurança pública 

02 setembro 2016 - 09h54Por Gabriel Tinoco
Moradores querem mais policiais pelas ruas

ão bastasse as discussões e propostas sobre Turismo no Cidade Viva, agora o projeto também quer medidas para melhorar a segurança de Cabo Frio. 
A Folha entrevistou moradores da cidade, que querem policiamento ostensivo e aumento no efetivo do 25 BPM. Eles também ressaltaram a importância das câmeras de apartamentos na inibição dos crimes.

O aposentado Wilson Valadão, 56, acredita que o policiamento é a melhor saída para melhorar a segurança pública.

– Primeiramente, é necessário mais policiamento ostensivo. Além disso, precisa aumentar o efetivo não só de Cabo Frio, como de toda a Região dos Lagos. Numa posição mais radical, pedir para a Força Nacional fazer uma operação de choque nos lugares que estão concentradas as armas, as drogas... Também acho que deve haver mais patrulhamento a pé. As viaturas, às vezes, fazem com que o criminoso fique alerta. 

O aposentado Dario Geraldelli, 76, quer mais PMs nas ruas de Cabo Frio.

– Tem que ter policiamento. Não tem guarda municipal e nem policial nas ruas. A cabine da polícia é aqui perto e não vemos PMs por aqui. Se gritar que tem ladrão, não há ninguém para socorrer. Um policial inibiria a ação dos criminosos – conta.

Já o corretor Luis Fernando da Conceição, 48, quer uma mudança na corporação. 

– É preciso aumentar o efetivo. E, sobretudo, uma PM mais ativa e correta. A PM foi feita para proteger a gente, mas não é isso que vejo. É uma corporação muito agressiva e com uma série de problemas – comenta. 

Antônio Santos, militar, 64, quer mais monitoramento. 

– Quando falo em segurança, penso em policiais. Tem que ter muito PM na rua. E a educação auxilia a segurança, mas quem nos deixa protegido é a polícia. Outra boa medida é espalhar câmeras de segurança por todo o canto. A questão do monitoramento inibe bastante a ação dos bandidos. O ladrão sabe que no prédio tem câmera e, por isso, não assalta – afirma. 

O barbeiro Valter Kottwistz, 60, não acredita em medidas para melhorar a educação pública. 

– Todos falamos em educação. Mas nunca acontece nada. Se tivéssemos educação, nem precisaríamos estar falando tanto sobre a violência. Acredito mais que possam reforçar o policiamento da cidade. É uma medida com mais pé no chão. 

O aposentado Walter Trindade, 83, vai além e pede por moradia para redução da violência. 

– Temos que lutar, primeiramente, pela reforma agrária. É necessário tirar o cidadão da rua. Botar o morador para trabalhar. Não falo de prender ninguém. A segurança do povo está na condição de vida dele. Se ele não se sustenta, acaba sendo vítima disso, e agindo de uma forma que não deveria – finaliza. 

O próximo Cidade Viva acontecerá na sede da Folha dos Lagos, no Centro no dia 14, a partir das 10h. O projeto, que reestreou no último dia 31, trará debates e sugestões de lideranças da socidade sobre diversos temas.

Não haverá participação de candidatos desta eleição. Aliás, as propostas que surgirem a cada reunião serão separadas e encaminhadas para os políticos.