Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
dengue

Moradores do Manoel Corrêa temem surtos de dengue

Pneus abandonados e outros problemas foram encontrados em visita ao bairro

10 novembro 2016 - 07h35Por Texto e foto: Gabriel Tinoco
Moradores do Manoel Corrêa temem surtos de dengue

Na porta do verão, estação em que os casos de dengue se mul­tiplicam, os moradores do bairro Manoel Corrêa reclamam dos pneus espalhados à beira da es­trada que liga Cabo Frio a Arraial do Cabo. Eles sentem medo dos prováveis focos do mosquito Aedes aegypti em períodos de chuva. Um pouco mais à frente, um campo de futebol, também na beira da estrada, tem as marca­ções delimitadas por pneus. Qua­se todos tinham água no interior.

O porteiro de uma pousada próxima aos pneus, Jorge de Je­sus, 66, tem medo de contrair uma doença.

– É arriscado. Nós fazemos tratamento aqui na pousada. A Prefeitura vem sempre. Mas pode ser criado um foco de mos­quito da dengue lá e chegar até aqui. Não adianta nada o nosso cuidado – desabafa.

As chuvas são a maior preo­cupação da autônoma Zenilda de Oliveira, 67, que mora no Manoel Corrêa. Ela pediu socor­ro ao repórter para que os pneus fossem retirados.

– Você não pode fazer um apelo às autoridades? Isso é um absurdo. Estou muito preocupa­da com essas chuvas de janeiro. Tenho que pedir a Deus para não ficar doente – clama.

A autônoma Dilma Rosa, 67, teme pela saúde das crianças e dos idosos na comunidade. – A gente tem criança pequena em casa e fica com medo. Ouvi na rádio que Cabo Frio está sem médico. Sou idosa. Não posso pegar uma doença dessas. Mas a minha primeira preocupação é com as crianças – afirma.

A assessoria da Secretaria de Saúde informou que uma equi­pe de vigilância sanitária fará o tratamento com larvicida, mas não recolherá os pneus.

Da dengue à horta

Se a ameaça de larvas do mosquito deixa moradores as­sustados, um professor de judô resolveu transformar potenciais criadouros do Aedes aegypti em uma horta comunitária. Robson Ferraz, 72, recolhe os pneus espalhados, pinta e coloca ter­ra para a colheita. O resultado, além da prevenção, são alimen­tos e plantas nativas da região.

O dono da horta aproveita para fazer um alerta para os mo­radores do Manoel Corrêa.

– Faço minha parte. Mostro a diferença de quem faz coisa boa para quem faz coisa ruim. É um foco de uma doença que pode afetar uma população imen­sa, que se estende do Braga ao Manoel Corrêa. Todos vão fi­car contaminados nesse verão. A Saúde está precária ainda por cima – prevê.

Robson faz questão de ajudar quem precisa de alimentos e até doar mudas para a vizinhança.

– Criei a horta há oito anos. Quando comecei, não tinha nem pneu. Comprei sementes e fiz uma horta para beneficiar a co­munidade. Não vendo. O mo­rador, às vezes, quer comer um peixe e não tem um coentro para temperar – conta ele, que colhe tomates, pimentões, pimentas e outros alimentos na horta.