Assine Já
segunda, 01 de março de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26524 Óbitos: 912
Confirmados Óbitos
Araruama 6711 182
Armação dos Búzios 3191 32
Arraial do Cabo 855 37
Cabo Frio 7394 352
Iguaba Grande 2510 55
São Pedro da Aldeia 3488 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
POLÊMICA À BEIRA-MAR

Moradores de Figueira dizem que obra embargada por Prefeitura não é ilegal

Donos de imóveis na Avenida Oceânica negam dano ambiental e afirmam que reconstituíam acesso a residências danificado por ressaca

22 agosto 2020 - 10h28Por Redação
Moradores de Figueira dizem que obra embargada por Prefeitura não é ilegal

Os moradores da Avenida Oceânica, lote 16, no distrito de Figueira, em Arraial do Cabo, entraram em contato com a Folha dos Lagos e negaram haver ilegalidade em obra embargada pela Prefeitura no último sábado (15).

A Guarda Marítima Ambiental e a Fiscalização Ambiental do município informaram que os proprietários dos imóveis construíam um muro de contenção no local, prejudicando o meio ambiente; mas os moradores alegam que apenas reconstituíam o acesso às residências, danificado por duas ressacas ocorridas em junho e julho.  

Alexandre Cunha é morador da localidade e diz que a ação não se tratava de uma construção de um muro de contenção, mas sim de uma manobra para que os moradores pudessem passar pelo local com os seus veículos. 

 – O nosso objetivo nunca foi de prejudicar o meio ambiente. Por isso, decidimos usar madeira, sacos biodegradáveis e a própria areia da praia para construirmos uma área de manobra para a gente entrar nas nossas casas com segurança – conta. 

Vizinho de Alexandre, Sérgio Silva diz que a situação da rua é caótica.

 – Não só eu, mas meus vizinhos também estão afetados com esse problema. É uma situação caótica e que gera muito estresse. Não podemos colocar o nosso carro dentro de casa – conta Sérgio.

Segundo Alexandre, os próprios moradores se juntaram e resolveram solucionar o problema por contra própria, depois de enviarem um protocolo à Prefeitura solicitando os reparos no local. No entanto, até o momento, o município não se posicionou sobre o assunto.

– Nós, os moradores, temos uma autorização do Inea dizendo que o local não é uma proteção de área ambiental. Pagamos o IPTU, os outros impostos e nos sentimos completamente abandonados – desabafa.

A Folha dos Lagos entrou em contato com a Prefeitura que afirmou que uma reunião na Secretaria de Obras, realizada nesta sexta-feira (21), debateria o assunto. Contudo, até o fechamento desta reportagem, um posicionamento ainda não havia sido passado.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.