Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Gamboa

Moradores da Gamboa pedem volta de barca

Moradores e lojistas querem mais uma forma de acesso para o bairro cabofriense

17 junho 2016 - 09h17Por Gabriel Tinoco
Moradores da Gamboa pedem volta de barca

Pessoas que trabalham na Gamboa e moradores do bairro reclamam que a falta da embarcação aumenta muito o tempo de deslocamento (Reprodução)

Moradores e comerciantes da Gamboa, em Cabo Frio, pedem pela volta da balsa que transporta pessoas do Canal do Itajuru até o bairro. Eles afirmam que a barca é fundamental para ajudar pessoas idosas a irem até o centro da cidade. Além disso, o setor lojista quer melhorar o acesso de turistas a centros comerciais como a Rua dos Biquínis.

A Folha tentou entrar em contato com a Comunicação da Prefeitura de Cabo Frio. Nenhuma ligação foi atendida.

O presidente da Associação de Moradores da Gamboa, Edson Francisconi, vê inúmeras facilidades com o retorno da balsa.

– A importância é grande, faz falta. Essa demanda já vem se arrastando durante dois anos. Facilita tanto a vida do morador como a do turista. É um transtorno subir aquela ponte, principalmente para as pessoas idosas – explica.

Uma moradora identificada apenas como Patrícia pretende fazer um abaixo-assinado.

– Precisamos que a barca volte a funcionar fazendo as embarcações de passageiros da Gamboa ao Centro e vice-versa. Mesmo que cobre uma taxa, vale a pena. Ela é muito útil para nós, moradores e comerciantes. Os turistas de Cabo Frio também podem embarcar nesta barca e visitar a Rua dos Biquínis. Quero fazer um abaixo assinado e entregar ao órgão responsável. Temos filhos pequenos e dar a volta pela Ponte Feliciano Sodré é um pouco desconfortável. Além disso, há uma demora para atravessar a ponte e ainda corremos riscos. Com a barca funcionando, levamos um minuto para atravessar de um lado pro outro. Não têm escolas particulares na Gamboa e nem nos bairros vizinhos, somente no centro de Cabo Frio e nem todos os moradores tem carros para levar seus filhos até lá.

A vendedora da loja Beleza de Bali, na Rua dos Biquínis, Edineia Navarro, ouve turistas perguntarem frequentemente sobre a travessia pelo canal.

– A barca faz falta. Muitos turistas perguntam por ela. Além disso, também faz falta para os moradores, porque querem vir com embrulho de compras e tem que carregar aquele peso todo ao subir a ponte. Com a barca, o caminho fica mais leve – comenta.

A estudante Eduarda Lischt diz que a barca desafogaria o fluxo na Ponte Feliciano Sodré.

– Seria bom porque reduziria o fluxo de pessoas na ponte. Aquilo ali fica uma loucura. Os ciclistas são obrigados a empurrar a bicicleta pela pista da ponte, o que é muito perigoso. Com a volta da barca, melhoria bastante essa situação. O espaço na ponte é muito curto. Não dá nem para duas pessoas – finaliza.