Assine Já
quinta, 04 de março de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26995 Óbitos: 930
Confirmados Óbitos
Araruama 6793 183
Armação dos Búzios 3253 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 126
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Morada

Morada do Samba continua interditada

Sem local apropriado para trabalho, agremiações temem que não haja Desfile de Carnaval

12 agosto 2015 - 09h28
Morada do Samba continua interditada

Nicia Carvalho

 

Faltando 181 dias para o Car­naval 2016, o desfile das escolas de samba de Cabo Frio ainda é uma incógnita. O motivo é o bloqueio da Morada do Samba, que continua interditada pelo 18º Grupamento de Bombeiros Militar (GBM) por não atender exigências de segurança e con­tra incêndio. Até o momento, nenhuma adequação ao espaço foi providenciada. Impedidos de usar qualquer dos 14 barracões que compõem o complexo, di­rigentes das escolas de samba temem que o desfile fique com­prometido. A Morada está inter­ditada desde maio.

– O espaço continua interdi­tado porque aguardamos o iní­cio das obras. Mas, para isso, a Prefeitura precisa dar entrada ao processo na Divisão de Serviços Técnicos, no Rio. De lá, eles nos encaminham o laudo com todas as adequações que terão que ser feitas. Os responsáveis sabem do trâmite e temos interesse que tudo se resolva o mais rápido possível, porque quanto mais edificações aprovadas, maior a segurança da cidade – explicou o tenente-coronel Leonardo Cou­ri, comandante do 18º GBM.

O espaço acumula pendências de toda ordem, sejam documen­tais – como laudos de exigências e certificado de aprovação, que sinaliza quando o estabeleci­mento está apto a funcionar – ou de infraestrutura. Neste último, sobram falhas como a necessi­dade de obra para canalização preventiva, instalação de man­gueiras, de tubulações, casa de máquinas contra incêndio (bom­bas para deslocamento de água) e para-raios.

 

Interdição preocupa dirigentes das escolas

 

Para os dirigentes, a demo­ra na adequação da Morada é preoupante. E a alternativa de preparar o desfile do lado de fora dos barracões não é vista com bons olhos.

– Nós precisamos de espaço para trabalhar. Sem barracão fica complicado. Só podemos usar o espaço como depósito porque nada que gere eletricidade pode ser ligado por conta de risco de incêndio. Estamos aguardando definição, mas o tempo passa e nada é feito – reclamou Walfre­do Machado Pimenta, vice-pre­sidente da Em Cima da Hora, atual bicampeã do Grupo Espe­cial.

– Vamos entregar ofício no gabinete do prefeito porque, se essas obras não começarem, não vai ter Carnaval. Até o momento não vimos nenhuma movimen­tação da Prefeitura para o início das melhorias. Fazer os prepara­tivos do lado de fora não é pos­sibilidade, é inviável – disparou João Félix, diretor cultural da Flor da Passagem, agremiação do grupo especial e vice-campeã de 2015.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta (12)