Assine Já
segunda, 26 de julho de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
CORONAVÍRUS

Ministério Público questiona Marinha sobre aglomerações em bases na região

Denúncia anônima feita ao MPF apontava descumprimento de regras de distanciamento na Base Aérea Naval e no IEAPM

01 abril 2020 - 18h39Por Redação

O Ministério Público Federal (MPF) questionou a Marinha do Brasil a respeito de denúncia sobre a existência de aglomerações em instalações militares na Região dos Lagos. 

Foram duas denúncias: uma de manutenção das aulas no Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval Almirante José Maria do Amaral Oliveira (CIANN), nas instalações da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, e a outra sobre o funcionamento normal do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM), em Arraial do Cabo, com aglomeração de aproximadamente 300 pessoas no local.

O questionamento do MPF, feito pelo procurador da República Leandro Mitidieri, apontava que tais atividades, por reunirem número significativo de pessoas, poderiam colaborar para a disseminação do novo coronavírus nos municípios.

Em resposta, a Marinha do Brasil informou ao MPF que "aquelas unidades militares não estão com seu funcionamento normal". Segundo a Marinha, uma portaria normativa do dia 17 de março estabeleceu medidas de proteção no enfrentamento da pandemia, e que tais medidas foram aplicadas no CIANN e no IEAPM. Informou ainda que "as atividades curriculares no CIANNforam suspensas por, pelo menos, 15 dias a partir do dia 19/03/2020 e que "foram emitidos diversos boletins de ordem e notícias apontando procedimentos adotados nasunidades militares para evitar a concentração de pessoal (licenciamento diário de 2/3 datripulação, escala de revezamento, escalonamento do horário das refeições, suspensão dereuniões, dentre outras medidas).

"Não obstantes todos os cuidados necessários, oIEAPM e as outras unidades da Marinha do Brasil possuem missão constitucional de defesada Pátria e são consideradas atividades essenciais", conclui a resposta da Marinha.

Após a resposta, o procurador da República decidiu pelo arquivamento das duas denúncias, ambas feitas de forma anônima.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.