Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ministério Público

Ministério Público do Trabalho assume ações de indenização de ex-funcionários da Álcalis

Procurador afirma que havia 'conflito de interesses' por parte do sindicato 

27 junho 2016 - 10h56Por Rodrigo Branco
Ministério Público do Trabalho assume ações de indenização de ex-funcionários da Álcalis

Uma luta que começou há quase dez anos, agora, parece estar no caminho certo. Desde que a última caldeira parou de funcionar na antiga Companhia Nacional de Álcalis e as portas da gigante estatal produtora de barrilha se fecharam, não apenas Arraial do Cabo sofreu um baque econômico, mas também centenas de famílias passaram a lutar pelo direito de receber verbas rescisórias que não foram pagas até hoje.

Depois de anos de polêmicas, brigas judiciais e negócios suspeitos, há cerca de um mês, o Ministério Público do Trabalho de Cabo Frio assumiu a autoria da ação judicial, antes nas mãos do sindicato de ex-funcionários da empresa. À Folha, o procurador José Pedro dos Reis afirma que a medida foi tomada em função da mistura de papéis que havia entre representar os trabalhadores e gerir a massa falida da empresa, uma vez que ambos são desempenhados pelo mesmo grupo. Ele disse ainda que terrenos foram vendidos por um valor três vezes menor do que o de mercado. Os desvios e eventuais fraudes estão sendo denunciados.

– O MPT já encaminhou ao Ministério Público Federal e Estadual cópia dos documentos que comprovam a fraude, o conluio e o uso indevido da Justiça do Trabalho. Nessas esferas isso será tratado do ponto de vista penal e criminal – afirma.

Folha dos Lagos – O que significa, na prática, para os ex-funcionários da Álcalis a ação passar para as mãos do MPT?
José Pedro dos Reis –
Entramos no lugar do sindicato por causa de várias irregularidades que identificamos no transcorrer do processo. Desde 2007, houve vários atos protelatórios, desvio de recursos para outros fins e outras pessoas e interesses escusos no processo. Em razão disso, o Ministério Público pediu à Justiça do Trabalho para assumir a titularidade da ação, o que vai facilitar para os trabalhadores, já que vamos buscar vender os terrenos do sindicato para pagamento das verbas o mais rápido possível, através de leilão judicial e uma avaliação pela Justiça do Trabalho, e fazer com que os trabalhadores agora tenham realmente seus direitos de verba rescisória.

Folha – São quantos trabalhadores nessa situação?
José Pedro –
São aproximadamente 650, atualmente.

Folha – E qual o montante que esses trabalhadores têm direito a receber?
José Pedro –
A última avaliação que foi feita, e nós vamos ter que refazer essa planilha, é em torno de R$ 70 milhões.

Folha – Com o MP à frente da ação, como fica o processo? Novos cálculos são precisos?
José Pedro –
Existe uma planilha que temos que conferir todos os dados, ponto a ponto, em razão das irregularidades que mencionei. Depois de concluída, vamos verificar o direito de cada trabalhador e, em consequência, logo após a venda e depósito em conta judicial, vamos pedir a expedição de alvarás para cada um desse trabalhadores em nome daquele montante atualizado pelos índices da Justiça do Trabalho.

Folha – Está sendo feito recadastramento dos funcionários. Havia alguma irregularidade na lista anterior?
José Pedro –
O recadastramento é para atualização de endereço e também por causa de algumas irregularidades. Alguns entraram no processo e nem deveriam estar. Houve abuso por parte de dirigentes sindicais da época e isso fez com que alguns trabalhadores e outros que nem são trabalhadores entrassem nessa lista. Estamos fazendo esse levantamento. Falta confirmar esses nomes. O MPT não vai defender o direito de quem não tem.

Folha – Como está sendo feito esse recadastramento?
José Pedro –
Criamos um e-mail para receber os dados principais dos trabalhadores. Alguns questionaram a razão de ser um endereço ‘gmail’ e não oficial do Ministério Público. Podem ficar despreocupados porque não tem problema algum. Fizemos isso porque temos limites de capacidade no nosso e-mail funcional e para tratar desse caso não precisaria de um e-mail institucional. É um contato mais rápido e funcional. Também não é preciso encaminhar documentos. Solicitamos apenas que enviem nome, endereço, telefone e e-mail para [email protected], que vamos falar com cada um.

Folha – Uma das questões mais polêmicas com relação ao pagamento das indenizações diz respeito à venda dos terrenos. Quais as irregularidades encontradas?
José Pedro –
No processo judicial existem vários terrenos, que foram dados para o pagamento de verbas rescisórias, transferidos para o sindicato pela empresa. Alguns terrenos estavam avaliados em R$ 36 milhões e foram vendidos por R$ 12 milhões. Houve uma perda muito grande. E têm outros que ainda estão para venda e precisam de avaliação justa. Há indícios de que, nesses R$ 12 milhões, teve desvio de recursos, que em vez de serem destinados para o trabalhador foram usados para pagar honorários de advogados, o que não era cabível. Consideramos que houve um conluio entre o sindicato e os diretores da empresa para usar a Justiça do Trabalho de forma indevida.

Folha – Como está o diálogo do MPT com os trabalhadores?
José Pedro –
Estamos fazendo o recadastramento e dentro de 15 dias vamos fazer uma reunião com todos eles para que esse assunto seja tratado de forma individualizada. Porque, quando o sindicato fez essa intermediação, o fez de forma irregular, ilícita e criminosa. Então, para evitar intermediários que se aproveitam do momento para ter vantagens ilícitas, vamos ter contato direto.

Folha – Que tipo de responsabilidade penal podem receber os sindicalistas e diretores envolvidos nesses desvios?
José Pedro –
O MPT já encaminhou ao Ministério Público Federal e Estadual documentos que comprovam fraude, conluio e uso indevido da Justiça do Trabalho. Nessas esferas isso é tratado do ponto de vista criminal. Quanto ao MPT, estamos analisando quais outras ações podem ser ajuizadas para regularizar essa situação. Ressalto que o procurador-chefe do MPT do Rio (Fábio Goulart Vilella) criou um grupo de trabalho com outros quatro procuradores para cuidar desse assunto. Havia um caos total nessa relação Álcalis-sindicato-trabalhadores. Então o estado, por meio do MP, precisava intervir.

Folha – Ao que o senhor atribui o fato de o sindicato, que deveria zelar pelos interesses dos trabalhadores, não fazê-lo?
José Pedro –
Essa situação é bastante diferente porque foi criada uma associação de empregados denominada Noválcalis para gerir a Álcalis, o Cirne e uma outra empresa, a Alcanorte. No momento em que a Noválcalis foi criada, confundiu-se os dirigentes do sindicato com os dirigentes da empresa. Em qualquer instância da Justiça tem que haver um conflito para solucionar. Nesse caso, há uma confusão de interesses do sindicato com a empresa porque no momento em que os trabalhadores assumem a empresa, dependendo da hora do interesse de cada um, uma hora defendia a empresa, outra hora defendia o sindicato. O capital e o trabalho viraram uma coisa só, uma bagunça. Acabamos de ver em um processo que o ex-presidente do sindicato Alexandre [Alves dos Santos, assassinado em 2014], hoje falecido, assinava como a petição inicial, essa que o MPT está assumindo agora, como presidente do sindicato e autor da ação em face da Álcalis. Mais à frente ele assina em nome da Álcalis. Ou é um ou é outro. Ou é réu ou é autor. Havia conflito de interesses, por isso o MPT tinha que fazer alguma coisa. Já temos quatro ou cinco ações anulatórias, inclusive anulando venda dos terrenos. Estamos tentando colocar as coisas no eixo, mas a confusão é tão grande que optamos por afastar essas partes e assumir o comando.

Folha – Já havia interesse dos trabalhadores representados pelo sindicato de passar a autoria da ação para o MPT?
José Pedro –
Estava tudo estagnado. Não havia essa conversa. Conversei com o atual presidente do sindicato, o Joveílson Rangel, e ele concordou que o melhor para os trabalhadores era que o MPT assumisse a autoria.

Folha – Quando os trabalhadores vão receber?
José Pedro –
Vamos pedir para a Justiça fazer leilão dos bens que foram transferidos para o sindicato e fazer os pagamentos. Não temos prazo, mas vamos fazer todo esforço para que isso ocorra o mais rápido possível. Queremos garantir os direitos do trabalhador. Não é fácil, porque depende de vendas e a economia está difícil. Também não adianta ter pressa e não vender pelo preço justo.

Procurador: "Situação estava uma bagunça"