Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Bebê

Menina que caiu em cisterna precisa de ambiente estéril após alta

Bebê fica com encefalopatia

21 agosto 2015 - 09h22

NICIA CARVALHO

 

A qualquer momento a meni­na Lara Vitória dos Santos Fi­gueira, hoje com um ano e três meses, pode ter alta do Hospital Municipal da Criança, em Cabo Frio, onde está internada desde o dia dois deste mês. Mas para receber alta, ela precisa de um ambiente o mais estéril possível devido à traqueostomia que a auxilia a respirar e à gastrono­mia, sonda pela qual recebe os alimentos.

A criança foi diagnosticada no Hospital Regional de Araru­ama, onde ficou até o início des­se mês, com encefalopatia, uma alteração patológica provocada depois que o cérebro ficou sem oxigenação, quando a menina caiu em uma cisterna, em abril deste ano, em São Pedro da Al­deia. A tia de Lara, Fernanda Rosa dos Santos, 32, e o marido, que é pedreiro, moram no Jar­dim Esperança com os dois filhos, estão construindo uma casa para a família em São Jacinto. Porém, com a urgência de um ambiente adequado para Lara, os recursos são poucos para terminar em pouco tempo.

– Precisamos de apoio, de alguma ajuda para terminamos ao menos um quarto em que ela possa ficar. Começamos a obra, mas o estado de saúde dela ins­pira cuidados e não temos condi­ções sozinhos de terminar – apelou. Ela contou que a sobrinha recebeu doações, como fraldas e latas de leite, de funcionários do Hospital da Criança e de amigos.

                                                                        

Fernanda explicou ainda que ganhou a guarda da menina por ocasião do acidente. O motivo foi porque a mãe de Lara, que é sua irmã, “é envolvida com drogas e sumiu no mundo”. Ao conduzirem o pai da criança a delegacia, policiais civis verifi­caram que havia dois mandados de prisão em aberto contra ele.

Na época, a mãe de Lara in­formou à Polícia Civil que dei­xou o bebê sob os cuidados do pai que, supostamente, estaria embriagado. A ocorrência foi registrada como lesão corporal culposa. Devido aos cuidados constantes que a criança precisa­rá, Fernanda contou que terá que deixar o emprego como auxiliar de classe em uma escola pública do município.